O nível do rio Madeira ubiu hoje, para 18,89m
O nível do rio Madeira ubiu hoje, para 18,89m
O nível do rio Madeira ubiu hoje, para 18,89m

O rio Madeira continua enchendo e desabrigando pessoas. Hoje, sexta-feira, 07 de março, o nível atingiu 18,89 e falta pouquíssimos milímetros de água para atingir um nível de tragédia. A enchente histórica continua atingindo moradores nos municípios de Porto Velho e Nova Mamoré. Elas são acolhidas em abrigos espalhados pela capital ou nas residências de famílias e amigos. Ontem haviam 504 famílias nas instalações improvisadas em escolas, ginásio, associações, igrejas e outros espaços cedidos pelas comunidades. Todas recebem cestas básicas, atendimento médico e remédios, através de equipes mobilizadas para esta finalidade. Parte delas deve ser transferida para o ginásio Cláudio Coutinho, onde há estrutura que pode oferecer maior conforto.

“O acolhimento deve levar em consideração a dignidade destas pessoas, por isto faremos estas alterações”, explicou o tenente coronel Demargli Farias, oficial de comunicação, do Corpo de Bombeiros. Segundo ele, em alguns abrigos as instalações não suportam a demanda apresentada. Sobre o rio Madeira, Farias disse que o nível tem mantido estabilidade, mas já é esperado o efeito das chuvas torrenciais que aconteceram nas nascentes há alguns dias.

O coordenador estadual da Defesa Civil, coronel bombeiro Lioberto Caetano sobrevoou domingo (04), o distrito de Nazaré, um dos mais afetados pela inundação, a fim de identificar um ponto seguro para instalar uma base de operações que possa oferecer maior suporte aos atingidos pelo fenômeno.

fa2O distrito também recebeu barracas do tipo Kit 100, do Governo Federal, que tem capacidade para abrigar até  100 famílias.

A Defesa Civil Estadual também acompanha famílias atingidas pela enchente nos distritos de Jacy Paraná e localidades de Abunã,  além das localidade de Boa Fé e São Sebastião, na margem esquerda do rio Madeira.

Atendimento médico às famílias está sendo feito com por equipes mantidas em plantão, com reforço de profissionais do Navio Hospital da Marinha, que está atracado no porto da capital. Este serviço inclui, se houver necessidade, exames laboratoriais e, em alguns casos, até a distribuição de alimentos.

O serviço médico do Navio Hospital foi estendido às pessoas que buscam atendimento nas unidades básicas da capital. Pacientes foram transportados até o navio e retornaram após o atendimento.

fa3No município de Nova Mamoré o Exército atendeu  15 famílias que ficaram desabrigadas. Elas receberam cestas básicas, água potável e material de higiene. No município de Guajará Mirim os serviços estão voltados para atender 150 estivadores e suas famílias. Os trabalhadores ficaram sem poder trabalhar em razão da inundação. Lá também foram danificadas 50 residências, que precisarão ser reconstruídas quando as águas baixarem.

Ajuda

A população também pode ajudar as vítimas da enchente com doações em dinheiro,  que podem ser feitas nas seguintes contas bancárias:

Conta Corrente nº 9696-2 – Agência nº 2757-X

(Banco do Brasil)

Titular: SOS Enchente Rondônia – 

Agência: 043   Conta Corrente: 075.525-2 

Titular: Centro de Estudo da Cultura e do Meio Ambiente da Amazônia Rio Terra.

(Banco da Amazônia)
 
Para maiores informações entrar em contato com Comunicação Social do Corpo de Bombeiros Fone: 3218-2928.

Texto: Nonato Cruz
Fonte: Defesa Civil

Facebook Comments