Estudo indica que pacientes obesos acometidos por Covid-19 podem ter maior comprometimento da saúde do cérebro

A pesquisa realizada com pacientes de UTI do Hospital das Clínicas/USP foi publicada na Obesity Science and Practice, no final de maio, usou a tecnologia pioneira brain4care de monitoramento não invasivo de variações de volume/pressão intracraniana, desenvolvida pela healthtech de mesmo nome

Obesidade e suas implicações na circulação cerebral e na complacência intracraniana em pacientes acometidos por COVID-19 grave é o título do artigo publicado na  Obesity Science and Practice, em 20 de maio. O estudo, liderado pelo médico neurocirurgião Sérgio Brasil, da Universidade de São Paulo (USP), concluiu que o comprometimento da complacência intracraniana (que constitui o equilíbrio entre o  volume do cérebro, componente sanguíneo, líquido cefalorraquidiano e a pressão intracraniana) foi mais observado entre indivíduos obesos e pode ter contribuído para a piora do prognóstico da SARS COVID-19. Além disso, foi observado que a ventilação em prona – um dos procedimentos utilizados na UTI, em que o paciente é colocado de bruços – no caso dos pacientes obesos, piora a complacência cerebral.

A pesquisa – um estudo unicêntrico, observacional e prospectivo – foi realizada em seis unidades de terapia intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo, de maio a junho de 2020. Foram avaliados 50 casos (23 pacientes obesos e 27 magros), todos acometidos por COVID-19 grave. O comprometimento da complacência intracraniana foi verificado em 78% dos pacientes obesos. Entre os pacientes magros, essa taxa foi menor, 48%. Também quanto aos resultados desfavoráveis, o grupo de obesos apresentou índice maior, 69%, enquanto entre os pacientes magros, 44%.

O pesquisador informa que a associação entre obesidade e hipertensão intracraniana tem sido descrita na literatura científica. “De 90 a 95% dos pacientes com sintomas de hipertensão intracraniana idiopática apresentam obesidade”, afirma.  No entanto, segundo o pesquisador, a prevalência de hipertensão intracraniana na população geral não foi amplamente estudada até o momento, especialmente porque as técnicas para avaliar a pressão intracraniana exigiam a invasão do crânio para a introdução do cateter, o que não é eticamente recomendado.

Assim, o estudo liderado pelo médico Sérgio Brasil somente foi possível pelo uso da brain4care, tecnologia pioneira de monitoramento não-invasivo de variações de volume/pressão intracraniana, desenvolvido pela healthtech brasileira de mesmo nome. O monitoramento é realizado por meio de um sensor que toca a cabeça do paciente com ajuda de uma cinta. Os dados são visualizados em tempo real pelo médico ou pesquisador em um dispositivo (tablet, celular etc.) com acesso à internet.

O estudo também destaca que a elevação da pressão intracraniana pode reduzir a complacência intracraniana, impactando a perfusão cerebral e o metabolismo celular.  Vários mecanismos que ligam a obesidade à hipertensão intracraniana crônica têm sido propostos, como distúrbios da circulação do líquido cefalorraquidiano,  desregulação do eixo neuroendócrino metabólico,  compressão dos órgãos torácicos e abdominais prejudicando o retorno venoso cerebral, apneia do sono levando a distúrbios hemodinâmicos cerebrais e elevação da temperatura cerebral.  Além dos determinantes genéticos e epigenéticos, esses fatores também podem desempenhar um papel no aumento do risco de desenvolvimento de doenças neurodegenerativas na população obesa.

 

Sobre a brain4care

Com o propósito de desafiar os limites da medicina para vivenciar histórias de saúde e felicidade, a brain4care é uma healthtech brasileira de impacto global que desenvolve e oferta a tecnologia pioneira de monitoramento não invasivo das variações de volume/pressão dentro do crânio, também conhecida como complacência intracraniana (CIC). Sua missão é reduzir a dor e o sofrimento de milhões de pessoas estabelecendo um novo sinal vital, acessível a todos, em qualquer lugar, sempre que for preciso.

Escolhida globalmente pela Singularity University para ser acelerada em 2017, a tecnologia brain4care oferece acesso universal à CIC, um indicador de saúde neurológica cujo comprometimento leva à disfunção cerebral, que é a primeira causa de invalidez e a segunda de mortes no mundo**. Em um contexto multimodal, permite que médicos e equipes melhorem a pertinência nos cuidados e a segurança do paciente, fornecendo informações adicionais que qualificam o diagnóstico, orientam a terapêutica e indicam a evolução dos distúrbios neurológicos.

Certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e disponível comercialmente no Brasil desde 2019, a tecnologia está presente em 14 instituições de saúde em todo país. No Brasil, a healthtech conta com escritórios em São Paulo e São Carlos, e nos Estados Unidos, em Atlanta.

 

(*) The global burden of neurological disorders – The Lancet Neurology

Link para o estudo completo: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/osp4.534

Facebook Comments