Enquanto Marcos Rocha vai à COP26 “defender” Rondônia, PM age com ilegalidade em ocupação de agricultores

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha (PSL)viaja nesta sexta-feira, para Glasgow (Escócia), para participar da COP26 sobre as questões climáticas. Rondônia é um dos estados que mais desmata e queima as florestas. Esse mesmo governador é quem ordenou a redução das áreas de proteção ambiental e determinou a expulsão de camponeses

Há um ano as famílias dos acampamentos Tiago dos Santos e Ademar Ferreira vem sofrendo perseguições  em Rondônia. Assassinatos realizados por policiais em serviço e a serviço do latifúndio, prisões sem mandato ou provas, e agora, mesmo com a decisão da Ministra Cármen Lúcia do STF em suspender temporariamente a reintegração de posse, a reintegração continuou, e nesse mesmo dia também ocorreu a prisão política do líder do acampamento, que pertence a LCP – Liga dos Camponeses Pobres.

O Cebraspo – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos, denúncia que a Polícia Militar do governador PM Marco Rocha, do PSL,  com o auxílio da Força Nacional, seguem realizando a desocupação do acampamento Tiago dos Santos, que fica em Nova Mutum Paraná – RO. A desocupação é realizada de forma violenta, a ação continua mesmo com  a decisão da ministra Carmen Lúcia na quinta-feira 21/10/2021: “no âmbito da reclamação 0633183320211000000, em trâmite no STF, que determinou a suspensão da execução da ordem de reintegração de posse que havia sido concedida nos autos 7030469-20.2020.822.0001 da 7ª Vara Cível de Porto Velho, até que seja julgado o mérito da ação.”

Essa decisão torna a reintegração de posse do acampamento Tiago dos Santos ilegal, já era ilegal inclusive pela forma que está sendo realizada, com violência, torturas, sem organização, as pessoas estão sendo retiradas e deixadas a própria sorte, sem água, sem alimentação, sem condições de higiene, o que por si só já é desumano, e durante a pandemia covid19, não temos outro nome para dar que não seja fascismo, genocídio. Os camponeses denunciaram que ficaram sem comer de quarta-feira de manhã até  quinta-feira de noite. Um trabalhador afirmou também: “Enquanto isso eles estão comendo nossas criações, assaram nosso porco, matando os bichos”, se referindo ao fato de que os mais de 3 mil policiais envolvidos nas ações, estão roubando e destruindo as plantações e criações que são frutos do esforço dos camponeses.

Ilegal também é a prisão do líder do assentamento durante uma das ações dos BPFRON – Policiais Militares do Batalhão de Polícia de Fronteira e Divisas.  Os PMs interceptaram uma moto com duas pessoas e identificaram uma das pessoas como o líder do assentamento, um senhor de 50 anos, que segundo os PMs estava fugindo. Obviamente para se proteger do perigo de morte que estava correndo.

É importante salientar que essa é uma prisão política. A prisão ocorreu no dia 22/10/21 e foi realizada com a acusação de esbulho possessório. Uma pesquisa rápida mostrou como se resume o termo:  Esbulho possessório  é o ato de violência, clandestinidade ou precariedade que te impede de exercer a posse do seu imóvel…

Já foram feitas inúmeras matérias neste DCO denunciando a questão dos latifundiários que são grileiros de terras, que matam, destroem, barbarizam para se manter donos do que não lhes pertence, com respaldo dos governos dos estados e do governo do presidente ilegítimo Bolsonaro.  Caso exista alguém que deve ser retirado e preso com acusação de Esbulho Possessório, são esses bandidos, fascistas que infestam nosso país, que acham que colocar uma cerca em volta das terras do povo camponês lhes dá o direito sobre ela!

Fonte: DCO

 

Facebook Comments