Embrapa encerra Dias de Campo de Soja em Rondônia e destaca avanço da cultura no estado

ARTE DIA CAMPO SOJA_finalOs Dias de Campo de Soja 2014 reuniram em cinco cidades de Rondônia – Vilhena, Cerejeiras, Castanheiras, Porto Velho e Ariquemes – um público de aproximadamente 550 pessoas, entre produtores, técnicos, empresários do agronegócio e estudantes, que conheceram cultivares de soja convencional e transgênica desenvolvidas pela Embrapa de alta qualidade e produtividade, com características agronômicas adequadas às necessidades dos sojicultores rondonienses, proporcionando diferentes opções de escolha para a semeadura da safra 2014/2015.

A cidade de Ariquemes, localizada a 200 quilômetros da capital, foi a última a receber os Dias de Campo de Soja 2014 em Rondônia, no dia 13/3, no campus do Instituto Federal de Rondônia (Ifro). “Encerramos os dias de campo de soja com bons resultados e já estamos planejando as ações para 2015. Graças ao apoio que recebemos dos nossos parceiros, foi possível realizarmos estes eventos e levar ao sojicultor novas tecnologias. A soja está ganhando cada vez mais espaço em Rondônia e a Embrapa busca estar em sintonia com o mercado e junto ao produtor para que ele tenha opções para fazer a melhor escolha na hora do plantio. Esperamos para o próximo ano fortalecer ainda mais nossas parcerias, principalmente com os sementeiros, e continuar levando para os agricultores tecnologias competitivas”, explica o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Rondônia, Samuel Oliveira.

Este ano, o interesse maior e mais específico pela cultura da soja por parte do público chamou a atenção dos palestrantes. Isso demonstra que os participantes estão mais envolvidos com a cultura, que estão ou irão trabalhar com a soja, seja diretamente no plantio e na manutenção da lavoura, ou mesmo arrendando terras para outros sojicultores. É o caso do pecuarista Adelzinho Fraga, ele chegou ao estado há 30 anos e só agora vê o sonho de trabalhar com a soja começando a ser realizado. “Eu já vim do sul com a intenção de um dia plantar soja aqui. As pessoas falavam que nunca ia poder plantar soja em Rondônia, mas eu não acreditei. Então eu comprei terra ainda mais barata na época, fui trabalhando com pecuária e hoje eu quero cultivar a soja, ou mesmo arrendar minhas terras para que cultivem soja”, conta Adelzinho, que pretende utilizar metade dos seus 2000 hectares com a soja.

Além de pecuaristas e sojicultores, muitos técnicos e engenheiros agrônomos que são responsáveis por grandes áreas de soja em Rondônia compareceram aos eventos para conhecer as cultivares da Embrapa e já se prepararem para a semeadura da próxima safra. Segundo o engenheiro agrônomo Ronaldo Roncari, responsável por uma nova área de plantio de soja na região de Porto Velho, é fundamental escolher as variedades que são mais adaptadas à região. “A Embrapa está aqui para nos ajudar, ela já está fazendo os testes para que a gente possa escolher a variedade que melhor se adapta para nossa região. Nós precisamos desta parceria”, comenta Ronaldo.

A soja e o iLPF

No dia de campo de soja realizado em Porto Velho, além de conhecer as cultivares de soja da Embrapa, o público pode ver de perto como funciona o sistema de integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), especialmente o consórcio da soja com o eucalipto. As vantagens desta tecnologia em âmbito nacional são comprovadas pela viabilidade técnica, econômica, social e, principalmente, ambiental da aplicação da iLPF nos diferentes biomas (Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica ou Pampas) e pelas possibilidades de combinações entre agricultura, pecuária e floresta, sejam elas integrações agropastoris (lavoura e pecuária), silviagrícolas (floresta e lavoura), silvipastoris (pecuária e floresta), ou agrossilvopastoris (lavoura, pecuária e floresta), o que oferece ao produtor grande versatilidade ao sistema e possibilita que componentes culturais, econômicos e ambientais sejam considerados para a sua perfeita adequação à realidade da região.

O Brasil tem aproximadamente 180 milhões de hectares de pastagens, dos quais mais da metade está em algum estágio de degradação, e uma boa parte já em estágio avançado. Em Rondônia não é diferente, o quadro é mesmo e, de acordo com o pesquisador da Embrapa Rondônia, Alexandre Passos, o iLPF é uma das principais tecnologias para recuperação de áreas degradadas. “Com o iLPF vislumbra-se em poucos anos triplicar a quantidade de animais por área de pastagem e dobrar a produção de grãos no Brasil. Nós da Embrapa convidamos os produtores do estado para conhecerem a tecnologia que está disponível em nossa Unidade”, conclui.

Produção de soja em 2014

A previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para este ano é de uma safra de soja de 85,4 milhões de toneladas. Esta projeção foi publicada em março deste ano e também aponta um aumento de 4,8% em relação à safra 2012/13, resultado de um crescimento de 7,4% na área de plantio.

Neste contexto, a Região Norte apresentou o maior aumento percentual na área plantada de soja (17,4%), com destaque para o estado de Rondônia, que obteve um aumento de 14,6% na área de plantio e de 13,2% na produção.

Parcerias

Os Dias de Campo de Soja 2014 foram realizados pela Embrapa e contou com as parcerias da FMC, Central Agrícola, Sementes Ouro Verde e Sementes Quati. Além do apoio do Programa Soja Livre, Aprosoja, Instituto Federal de Rondônia, Fundação Cerrados, Fundação BA, Fundação Triângulo, CTPA, Epamig e Emater.

Facebook Comments