As cargas somam mais de 74 toneladas de madeira de espécies nativas da Amazônia, como angelim, cedro, jatobá, maçaranduba, entre outras.

O ofício da embaixada foi encaminhado ao delegado da Polícia Federal Franco Perazzoni, chefe da operação Akuanduba, que investiga o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por suspeita de facilitar a exportação de madeira ilegal. As informações são do Jornal Nacional, da TV Globo.

Segundo o adido americano Bryan Landry, do Serviço de Pesca e Vida Silvestre, o equivalente ao Ibama nos Estados Unidos, foram apreendidos outros carregamentos de madeira que saíram do Brasil com destino aos portos de Nova Orleans e Seattle. O documento pede orientações para realizar a devolução da madeira apreendida.

“Os produtos florestais foram apreendidos e foi decretado seu perdimento em benefício do governo dos Estados Unidos. Para que se evite sua destruição, o Serviço de Pesca e Vida Silvestre obteve autorização para custear a devolução destes carregamentos ao Brasil. Nesse sentido, tendo em vista as investigações relacionadas à fiscalização das exportações de produtos florestais, submetemos o retorno do carregamento a esta autoridade policial e solicitamos informações sobre como proceder à devolução da madeira apreendida”, diz o ofício.

A embaixada informa também que o governo americano vai “solicitar o compartilhamento das investigações e das evidências produzidas no Brasil e nos Estados Unidos sobre crimes relacionados à exportação de produtos florestais entre os dois países, inclusive aquelas atinentes à operação Akuanduba”.

Segundo a Globo, esse pedido de compartilhamento é o primeiro passo para que os Estados Unidos possam iniciar uma investigação contra os investigados na operação Akuanduba, inclusive o ministro Ricardo Salles.

Todas essas cargas chegaram aos Estados Unidos sem a autorização de exportação do Ibama, documento obrigatório desde 2011 e que o presidente do Ibama, Eduardo Bim, tinha abolido com um despacho em fevereiro de 2020. Esse despacho foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Operações financeiras suspeitas

Também esta semana, a Polícia Federal relatou operações financeiras suspeitas de Ricardo Salles, a partir de um escritório de advocacia que ele tem em sociedade com a mãe. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, as operações foram feitas durante o período em que Salles exerce cargo no primeiro escalão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Segundo a PF, as operações foram realizadas por intermédio do escritório de advocacia que Salles mantém em sociedade com a mãe e ocorreram, nos últimos dois anos. Salles nega a existência de operações suspeitas.

Na quinta-feira (20/5), um dia após a operação contra o titular do Meio Ambiente, o presidente Bolsonaro disse que Salles é um ministro “excepcional” e que está sendo perseguido por xiitas ambientais.

Fonte: Metrópoles

Facebook Comments