Único time rondoniense a disputar a Copa do Brasil de 2020, quando entrar em campo diante do Boa Esporte-MG, nesta quarta-feira (5), às 19h30 (horário de Rondônia), no Estádio Portal da Amazônia, o Vilhenense vai em busca do sonho de avançar a segunda fase e faturar mais R$ 675 mil (pela ida à segunda fase), já que R$ 555 mil já estão garantidos na conta do clube. Mas para isso terá que vencer o time mineiro que joga pelo empate ou vitória para avançar. Na segunda fase, a disputa também ocorre em jogo único, mas com decisão por pênaltis em caso de empate.

O Vilhenense estreou no Campeonato Rondoniense no último sábado com empate diante do União Cacoalense em 1 a 1 no estádio Portal da Amazônia. Já do lado mineiro, o Boa não tem sido tão eficiente. Em três jogos oficiais, o clube mineiro obteve dois empates e sofreu uma derrota além de ainda não ter balançado as redes.

Do lado do Vilhenense, o técnico Tiago Batizoco deve manter a mesma formação da estreia e pode entrar em campo com: Gil; Marcão (Berg), Danilo, Wembley e Júlio César; Willian, Dadinho, Lagoa e Tuquinha; Yan e Ariel.

Já do lado do Boa, o técnico Nedo Xavier deve entrar em campo com: Renan Rocha;
Chiquinho Alagoano, Wesley, Henrique Moura e Carlinhos; Caio César, Nonoca, Gledson e
Gindre; Dênis Custódio e Jefferson.

Para a partida entre Vilhenense e Boa foi escalado o árbitro mato-grossense Luiz Paulo de Moura Pinheiro, que será auxiliado pelos também mato-grossenses Fabio Rodrigo Rubinho e Fernanda Kruger, enquanto que o quarto árbitro será o rondoniense Fledes Rodrigues Santos.

A 1ª fase será disputada em jogo único e o mando de campo será do time com pior posicionamento no ranking da CBF, mas com o visitante – no caso, a alvinegra – jogando pelo empate.

Onze times vão entrar diretamente nas oitavas: Cuiabá (por ser campeão da Copa Verde), Fortaleza (campeão da Copa do Nordeste), Bragantino (campeão da Série B) e Atlhetico-PR (atual vencedor da Copa do Brasil) e  os demais classificados para a Copa Libertadores: Flamengo, Santos, Palmeiras, Grêmio, São Paulo, Corinthians e Internacional.

COTAS DA COPA DO BRASIL 2020

A CBF atualizou as cotas de participação da Copa do Brasil para a edição 2020. Houve um reajuste de valores.

Abaixo, as cotas fase a fase, já com os subgrupos – entre parênteses, o aumento sobre 2019. Lembrando que o clube recebe pela participação. No primeiro mata-mata, por exemplo, cada time já começa com o valor certo, “disputando” a cota da etapa seguinte, em caso de avanço.

Grupo 1: 15 primeiros colocados no Ranking da CBF
Grupo 2: Clubes da Série A abaixo do Top 15 do Ranking da CBF
Grupo 3: Clubes abaixo do Top 15 do Ranking da CBF e abaixo da Série A

1ª fase, 128 avos de final
80 clubes (total de R$ 49,17 mi)
Grupo 1 – R$ 1,1 milhão (+50 mil)
Grupo 2 – R$ 950 mil (+30 mil)
Grupo 3 – 540 mil (+15 mil)

2ª fase, 64 avos de final
40 clubes (total de até R$ 32,45 mi)
Grupo 1 – R$ 1,30 milhão (+50 mil)
Grupo 2 – R$ 1,03 milhão (+40 mil)
Grupo 3 – R$ 650 mil (+25 mil)

3ª fase, 32 avos de final
20 clubes (total de R$ 30,0 mi)
Cota única – R$ 1,5 milhão (+50 mil)

4ª fase, 16 avos de final
10 clubes (total de R$ 20,0 mi)
Cota única – R$ 2,0 milhões (+100 mil)

5ª fase, oitavas de final
16 clubes (total de R$ 41,6 mi)
Cota única – R$ 2,6 milhões (+100 mil)

6ª fase, quartas de final
8 clubes (total de R$ 26,4 mi)
Cota única – R$ 3,3 milhões (+150 mil)

7ª fase, semifinal
4 clubes (total de R$ 28,0 mi)
Cota única – R$ 7,0 milhões (+300 mil)

8ª fase, final
2 clubes (total de R$ 76,0 mi)
Campeão – R$ 54,0 milhões (+2 milhões)
Vice – R$ 22,0 milhões (+1 milhão)

Fonte: Mais RO

 

Facebook Comments