Morte de trabalhador ocorreu no Bairro Nacional, em Porto Velho — Foto: Semusa/ Divulgação

Um jovem identificado como Henrique dos Santos Correia, de 25 anos, morreu após ter um mal súbito enquanto trabalhava na quarta-feira (4), no Bairro Nacional, em Porto Velho. A vítima havia começado no emprego recentemente e estava participando de um treinamento de segurança da Energisa no momento que morreu.

Um dos colegas de trabalho explicou à Polícia Militar (PM) que ele e o Henrique estavam carregando uma escada, quando a vítima caiu e bateu a cabeça ao solo. Ao perceber que Henrique não estava bem, o colega de trabalho começou a realizar o procedimento de massagem cardíaca.

Outros colegas da empresa ligaram para o Serviço de Atendimento de Urgência Móvel (Samu). No entanto, conforme descrito no boletim policial, os trabalhadores acabaram decidindo colocar a vítima em um carro e levá-la ao hospital.

No caminho, os funcionários da empresa se depararam com a ambulância e a equipe do Samu realizou o atendimento e levou Henrique à Policlínica Ana Adelaide, porém o trabalhador não resistiu.

Em nota, a Energisa disse lamentar a morte do colaborador terceirizado. A empresa ressaltou que o funcionário estava em treinamento de práticas de segurança em uma das unidades da empresa.

Henrique tinha acabado de ser contratado e antes mesmo dos treinamentos, escreveu a Energisa, ele tinha passado por todos os exames admissionais e destacou, que a empresa aguarda os laudos médicos para saber a causa.

O que é mal súbito?

Ao G1, o médico Rodrigo Almeida explicou que a expressão “mal súbito” refere-se a um evento inesperado e que pode levar a pessoa até a morte.

“É como se fosse um evento em que a pessoa, inesperadamente, morre. Não teria como saber o que ela tinha, se tratava de uma doença e que de uma hora para outra pode, inclusive, matar. Como é o caso de infartos fulminantes em que a pessoa morre em casa. Recentemente teve a situação do Tom Veiga (o Louro José). Lá foi aneurisma cerebral que rompeu e a pessoa não tem tempo de chegar no hospital. Então, seriam essas situações, onde a pessoa tem um mal estar muito rápido e ele se agrava a ponto de matar pessoa”, disse Rodrigo.

Veja na íntegra a nota da Energisa:

A Energisa lamenta a morte do colaborador da terceirizada Bureau Veritas Henrique dos Santos Correia, de 25 anos, que sofreu um mal súbito ao sair de um treinamento de práticas de segurança em uma das unidades da empresa. Os técnicos de segurança da terceirizada e da distribuidora tentaram reanimá-lo com orientações do SAMU, mas infelizmente não foi possível.

Henrique era natural de Porto Velho e tinha acabado de ser contratado pela empresa. Antes dos treinamentos, passou por todos os exames admissionais exigidos para a categoria. A empresa aguarda os laudos médicos para saber a causa.

Fonte: G1

Facebook Comments