O resultado das eleições para a presidência dos Estados Unidos ainda está longe de ser decidido. Processos judiciais estão sendo movidos nos estados de Nevada, Arizona, Wisconsin, Minnesota, Pennsylvania, Carolina do Norte e Geórgia, dessa forma, somando, há 94 colégios eleitorais que ainda estão para ser decididos.

Portanto, não é possível certificar a vitória de Joe Biden ou Donald Trump.

Em Nevada, a campanha de reeleição do presidente Donald Trump pediu a intervenção da justiça contra o processo de contagem de votos pelo correio, alegando que havia mais de 10 mil cédulas feitas no estado por eleitores que não moram lá; o que é ilegal.

No Arizona, Trump entrou com uma ação nesse sábado (7/11) alegando possíveis votos rejeitados no condado de Maricopa. A campanha de Trump afirmou que alguns votos presenciais foram desconsiderados devido a uma possível orientação imprópria fornecida pelos funcionários eleitorais.

Em Wiscosin, a campanha tomou medidas, também no sábado (7/11), para buscar uma recontagem. No estado, há indícios claros de fraude democrata, segundo o analista político Paulo Figueiredo Filho.

No estado de Minnesota, Trump pede que a Suprema Corte separe todas as cédulas enviadas por correspondência após o dia da eleição.

Em Pennsylvania, após denúncia de possível fraude feita pelo presidente Donald Trump, irá ocorrer uma recontagem dos votos das eleições americanas. O processo alega que a Pensilvânia falhou em “manter razoavelmente” seus registros de eleitores de acordo com as leis federais e estaduais a tempo para a eleição presidencial de 2020. “A Pensilvânia ainda deixou os nomes de mais de 21 mil indivíduos mortos nas listas de eleitores”, continua o processo.

Na Carolina do Norte, a contagem dos votos não terminará até que as juntas eleitorais locais processem os votos pendentes por correspondência e provisórios na próxima sexta-feira (13/11), de acordo com funcionários das eleições estaduais. Além disso, autoridades eleitorais na Carolina do Norte dizem que uma confusão no envio das primeiras cédulas de ausentes fez com que alguns eleitores recebessem duas cédulas idênticas para votar.

Por fim, em Georgia, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, afirmou na sexta-feira (6/11) que, “com margem tão pequena, haverá uma recontagem na Geórgia”. Além disso, Trump também cobrou às autoridades os votos de militares que possivelmente não teriam sido contados. “Onde estão as cédulas militares perdidas na Geórgia? O que aconteceu com elas?”, questionou o presidente.

Fonte: Terça Livre

Facebook Comments