O desembargador Eduardo Almeida Siqueira, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), pediu desculpas pelo episódio no qual humilhou guardas municipais. Na ocasião, ele chamou de “analfabeto” o agente Cícero Hilário Roza Neto, de 36 anos, além de ter rasgado e jogado no chão uma multa pelo desrespeito ao uso obrigatório de máscara na praia de Santos.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (23/7), o desembargador afirmou que se exaltou com o guarda e que a atitude foi tomada após “uma série de confusões normativas que têm acontecido durante a pandemia”.

“Me exaltei, desmedidamente, com o guarda municipal Cícero Hilário, razão pela qual venho a público lhe pedir desculpas”, diz trecho da manifestação do magistrado.

Citando a indignação com as normas estaduais e municipais, que desencontram as medidas federais, Siqueira diz que se arrepende do que fez.

“Minha atitude teve como pano de fundo uma profunda indignação com a série de confusões normativas que têm surgido durante a pandemia – como a edição de decretos municipais que contrariam a legislação federal – e as inúmeras abordagens ilegais e agressivas que recebi antes, que sem dúvida exaltam os ânimos. Nada disso, porém, justifica os excessos ocorridos, dos quais me arrependo”, escreveu Siqueira.

Entenda

Em vídeo, o desembargador aparece sem máscara, no último sábado (18/7), sendo abordado pelos guardas. Após um pedido para que ele coloque o equipamento de proteção, Siqueira perde o controle a ataca os guardas: “Você quer que eu jogue na sua cara? Faz aí a multa”.

Na sequência, em uma suposta ligação ao Secretário de Segurança Pública do município, Sérgio Del Bel, ele se apresenta e diz: “Estou aqui com um analfabeto de um PM seu”. O caso gerou polêmica nas redes sociais.

Fonte: Metropoles

 

Facebook Comments