A Corregedoria Geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) Rondônia, em conjunto com policiais da Delegacia de Núcleo de Combate à Defraudações de Porto Velho, deflagraram a “Operação Loan”, na quarta-feira (22), para cumprir cinco mandados de busca e apreensão de documentos, a partir de monitoramento, que ocorria desde 2019, de uma quadrilha que contava com a participação de uma servidora do órgão.
O corregedor geral do Detran Rondônia, delegado Glauco de Paula Souza, explicou que a Operação Loan teve como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão, relacionados à estelionato, associação criminosa, corrupção ativa e passiva contra a quadrilha.
“A fraude se dava na expedição de segunda via da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), uma servidora do Detran Rondônia integrava a associação criminosa.
De posse das informações das vitimas, que eram servidores públicos do Estado de Rondônia, a organização abria contas correntes e efetuavam empréstimos consignados, além de outras fraudes”, afirmou o corregedor.
A equipe da Corregedoria do Detran Rondônia estava monitorando a servidora da autarquia, que integra a quadrilha e é lotada no Posto Avançado da Zona leste, desde o ano passado.
Segundo o delegado Glauco de Paula no final de 2019, ela teria tentado fraudar e não teria conseguido, desconfiada ela teria dado um tempo, em março de 2020, ela teria orientado os membros da organização criminosa a procurar o Posto Avançado da Zona sul com procuração falsa, onde foi emitida a segunda via da CNH de uma vítima, que é auditora fiscal da Secretaria de Estado de Finanças (Sefin).
Com os documentos da vitima em mãos, a quadrilha abriu uma conta corrente em uma instituição bancária e efetuou um empréstimo consignado na folha de pagamento da referida auditora no valor de R$ 150 mil. Quando a vitima descobriu o golpe, procurou a Corregedoria do Detran, e como a servidora já vinha sendo monitorada, a equipe passou a investigar via sistema, auditagem. Depois de todas as informações colhidas, o delegado Glauco de Paula, as repassou para a Delegacia de Defraudações, sob o comando do delegado Swami Otto.
Ao conversar com o delegado Swami, sobre a atuação da quadrilha, o corregedor Glauco foi informado que na Delegacia de Defraudações já tinha uma investigação em andamento de outra vitima, médica do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro, em Porto Velho, e chegaram à conclusão que se tratava da mesma quadrilha.
Fonte: Assessoria
Facebook Comments