O Departamento de Justiça dos Estados Unidos, abriu na terça-feira (20), um processo antitruste contra o Google, marcando o maior desafio para as grandes tecnologias em 22 anos, segundo informou o jornal New York Post.

O processo acusa o gigante das buscas de manter “monopólios ilegais” em seus negócios de busca e publicidade.

A ação, movida em tribunal federal em Washington, D.C., afirma que o Google há muito tempo vem violando a lei. As táticas questionáveis ​​do Google incluem um contrato massivo de bilhões de dólares com a Apple para torná-lo o mecanismo de pesquisa padrão no iPhone, bem como garantir que seu mecanismo de pesquisa seja pré-carregado em smartphones usando o sistema operacional Android da Alphabet – que executa a maioria dos telefones ao redor do mundo.

A investigação de 16 meses descobriu que o Google usou seu “poder de monopólio”, bem como “bilhões em lucros de monopólio” para garantir seu lugar no topo da cadeia alimentar, disse o procurador-geral Bill Barr em um comunicado.

“O resultado final é que ninguém pode desafiar de forma viável o domínio do Google em busca e publicidade em buscas”, disse Barr. “Essa falta de concorrência prejudica usuários, anunciantes e pequenas empresas na forma de menos opções, qualidade reduzida (incluindo métricas como privacidade), preços de publicidade mais altos e menos inovação.”

Barr chamou isso de “um caso monumental para o Departamento de Justiça” e reconheceu que garantiu pessoalmente que era um “compromisso principal” do Departamento investigar o Google.

O processo promete ser o maior processo antitruste em uma geração, comparável ao processo contra a Microsoft Corp movido em 1998 e o processo de 1974 contra a AT&T, que levou ao colapso do Sistema Bell.

O processo da Microsoft foi creditado por abrir caminho para o crescimento explosivo da Internet, uma vez que o escrutínio antitruste impediu a empresa de tentar frustrar os concorrentes.

A ação desta terça-feira é apenas o primeiro processo a emergir de uma ampla revisão da administração de Trump sobre a poderosa indústria de tecnologia. Facebook, Amazon e Apple também estão sendo investigados por comportamento anticompetitivo.

O Vale do Silício também está enfrentando uma possível repressão às liberdades que lhes foram concedidas para remover conteúdo de terceiros “questionável” de seus sites a seu próprio critério.

O Departamento de Justiça já pediu a redução de algumas dessas proteções em meio a críticas dos conservadores, incluindo o presidente Trump, de que suas vozes estão abafadas. O presidente da Comissão Federal de Comércio, Ajit Pai, já disse que está trabalhando para “esclarecer” essas regras, conhecidas como Seção 230.

Funcionários do Departamento de Justiça enfatizaram, no entanto, que seu processo antitruste não estava relacionado a outras investigações na empresa envolvendo a Seção 230, chamando-os de “um conjunto totalmente separado de preocupações tratadas por diferentes pessoas no departamento”.

O Google foi anteriormente objeto de uma investigação antitruste pela Federal Trade Commission sobre seu produto de pesquisa, mas a agência encerrou a investigação em 2013, apesar de a equipe da FTC ter recomendado que a agência apresentasse um caso depois de supostamente encontrar “danos reais aos consumidores e à inovação”.

O diretor jurídico do Google, Kent Walker, classificou o processo como “profundamente falho”. Relatou

“Este processo não faria nada para ajudar os consumidores”, disse ele. “Ao contrário, aumentaria artificialmente alternativas de pesquisa de qualidade inferior, aumentaria os preços dos telefones e tornaria mais difícil para as pessoas obterem os serviços de pesquisa que desejam usar.” Disse.

Fonte: Terça Livre

Facebook Comments