26 C
Porto Velho, Rondônia
sexta-feira, janeiro 22, 2021
Política CUNHA RECEBEU DA ODEBRECHT R$ 20 MILHÕES PARA DESTRAVAR USINA DE SANTO...

CUNHA RECEBEU DA ODEBRECHT R$ 20 MILHÕES PARA DESTRAVAR USINA DE SANTO ANTÔNIO

Eduardo Cunha com a musa da moralidade, Mariana Carvalho

Ao autorizar a abertura de um dos cinco inquéritos contra o senador Romero Jucá (PMDB-RR), o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), relatou que colaboradores da Odebrecht buscaram ajuda do deputado cassado Eduardo Cunha na negociação da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira, em Rondônia.

 

“Entretanto, a empresa estava sendo alvo de ataques provenientes do governo federal, razão pela qual o grupo procurou o então Deputado Federal Eduardo Cunha, visto como pessoa de forte influência em Furnas”, diz Fachin sobre descrição do Ministério Público.

 

O texto prossegue: “nesse contexto, são esmiuçadas diversas reuniões entre o então Deputado Federal Eduardo Cunha e representantes do Grupo Odebrecht, quando foi firmado o compromisso de repasse, a título de vantagem indevida, de R$ 50 milhões”.

 

Segundo o documento, R$ 20 milhões eram para o próprio Cunha e R$ 10 milhões para o senador Romero Jucá, sendo mais R$ 20 milhões destinados a outros parlamentares. “Tais pagamentos seriam arcados pelo Grupo Odebrecht e pela Andrade Gutierrez, na proporção das respectivas participações no consórcio”, afirma o documento sobre o inquérito 4460, baseado em delações da Odebrecht.

 

Fachin determinou a abertura de 76 inquéritos para investigar políticos e autoridades com base nas colaborações da empreiteira. Eduardo Cunha está preso em Curitiba após desdobramentos da Operação Lava Jato e foi condenado a 15 anos de prisão. Fachin remeteu as informações para a Justiça do Paraná. O Blog procurou os advogados do político, mas não obteve retorno.

 

Jucá afirmou que “sempre estará à disposição da Justiça para prestar qualquer informação”. O senador também defendeu-se dizendo que suas campanhas eleitorais sempre atuaram dentro da legislação.

G1
Facebook Comments