CPJ pede apuração minuciosa de atentado contra jornalista em Rondônia

O jornalista Ivan Pereira Costas estava em frente a sua casa, quando um homem de moto passou em baixa velocidade e disparou cinco vezes
O jornalista Ivan Pereira Costas estava em frente a sua casa, quando um homem de moto passou em baixa velocidade e disparou cinco vezes
O jornalista Ivan Pereira Costas estava em frente a sua casa, quando um homem de moto passou em baixa velocidade e disparou cinco vezes

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) cobrou no último sábado (9) das autoridades brasileiras uma investigação minuciosa do atentando contra o jornalista Ivan Pereira Costa que, na segunda-feira (4) da semana passada, sobreviveu a um ataque no qual foi atingido por tiros, em Cujubim, Rondônia. “As autoridades brasileiras devem investigar exaustivamente o ataque, levar os responsáveis ​​à justiça e garantir que ele possa continuar a fazer o seu trabalho”, disse em Nova York o coordenador sênior do programa do CPJ para as Américas, Carlos Lauría. “Em todo o Brasil, a violência intolerável tem sido usada como uma tática para silenciar os jornalistas e impelir temas sensíveis para fora da discussão pública”, denunciou.

Fundador do site Veja Notícias, o jornalista estava em frente a sua casa, quando um homem de moto passou em baixa velocidade e disparou cinco vezes. A polícia não identificou o suspeito da tentativa de homicídio, que fugiu. Pereira Costa, que passa bem após ter sido submetido a uma cirurgia, teria dito à polícia que já havia visto o atirador “em meio a grupos ligados a invasões de terras na região”. A Polícia Civil informou ao CPJ que as investigações estão no estágio inicial.

A esposa de Pereira Costa, Ediléia Santos, disse que a área ao redor Cujubim tem sido assolada por conflitos de terra e violência entre camponeses e homens armados contratados por fazendeiros, e o jornalista escreveu sobre o tema no seu site. Dois policiais foram presos em janeiro em conexão com a morte de um camponês e o desaparecimento de outro, segundo a imprensa local.

Nos três primeiros meses de 2016, o Brasil registrou o assassinato de um profissional de comunicação, o radialista João Valdecir de Borba, o Valdão, da Rádio Difusora AM de São Jorge do Oeste, no sudoeste do Paraná. Também houve outro atentando a tiros, contra o radialista Jair Pereira Teixeira, baleado em Forquilha, no interior do Ceará.

Leia aqui o texto na íntegra. 

 

Facebook Comments