Doctor's hand holding a covid-19 vaccine vial on Chest x-ray background

Com o avanço dos testes clínicos das vacinas contra Covid-19, produzidas por diferentes laboratórios farmacêuticos, e a divulgação de resultados satisfatórios, as grandes potências mundiais se antecipam para garantir milhares de doses de imunizantes antes mesmo dos estudos estarem concluídos.

Japão, Estados Unidos, Brasil, Reino Unido e os países da União Europeia firmaram acordos que dão acesso a mais de 1,5 bilhão de doses. O cenário epidemiológico aqui, com alto número de casos de Covid-19 nos últimos meses, fez com que o Brasil fosse puxado para a lista, graças aos acordos de cooperação com testes em fase 3.

Para que a última fase dos testes clínicos seja realizada, os pesquisadores precisam que a vacina seja testada em locais onde há grande circulação do vírus, com volume de voluntários. Parcerias com a Universidade de Oxford e a AstraZeneca e com o laboratório chinês Sinovac Biontech garantiram ao Brasil 220 milhões de doses até agora.

Outro fator que contribuiu para a inserção do Brasil nos estudos é o desenvolvimento tecnológico local, com instituições que oferecem capacidade de produzir e distribuir a vacina a partir da importação de tecnologia.

Estados Unidos
Nessa terça-feira (11/8), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em coletiva de imprensa a compra de 100 milhões de doses da candidata à vacina do laboratório Moderna. Ele afirmou que o governo está investindo no desenvolvimento e na fabricação de seis das mais avançadas vacinas do mundo, sendo que três estão na última fase de testes. “Estamos perto de produzir 100 milhões de doses logo e mais 500 milhões de doses pouco depois”, assegurou.

Negociações com diferentes laboratórios já garantiram ao Reino Unido o acesso a 250 milhões de doses de imunizantes contra o coronavírus. Com 66 milhões habitantes, a estratégia prevê o acesso rápido a um método que se mostre eficiente.

Atualmente, a população mundial conta com 7,8 bilhões de habitantes. A reserva de grandes volumes de doses de vacinas por países ricos, aliada à limitada capacidade de produção dos laboratórios locais pode comprometer a distribuição de vacinas para os países mais pobres. (Com informações do Estadão)

Fonte: Metrópoles

 

Facebook Comments