Com novo sistema, Hospital de Base pode diminuir tempo de permanência de pacientes internados

Em conjunto com a equipe de consultores do Hospital Sírio Libanês, o Grupo SOS João Paulo II  apresentou  uma estratégia de trabalho com foco na ala ortopédica do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro (HBAP) para os profissionais do Núcleo Interno de Regulação (NIR) da unidade na manhã da terça-feira (5).

O Hospital de Base também está recebendo a consultoria do Sírio Libanês gratuitamente, assim como aconteceu com o Hospital João Paulo II. E esta consultoria está diretamente ligada aos resultados que esperam ser obtidos no JPII pelo fato do HBAP ser retaguarda do pronto socorro.

O objetivo da oficina foi elaborar indicadores do sistema japonês Kanban, para otimização de leitos, cirurgias.

“Trouxemos uma proposta para ser implantada na ortopedia para que possamos criar uma linha de cuidados, focando em todos os instrumentos que a gente pode utilizar, já treinamos uma equipe com os instrumentos e ferramentas de qualidade, e, agora, estamos trazendo a proposta do Kanban, onde a gente consegue definir qual o tempo de permanência de cada paciente dentro da unidade”, disse o consultor José Pereira de Souza.

Muitos hospitais já estão utilizando o sistema Kanban para gerir as vagas, entrada e saída de pacientes. Através do Kanban, é possível sinalizar visualmente e identificar o tempo que o paciente está dentro do hospital recebendo os cuidados médicos e, consequentemente, ocupando um leito.

Além dos nomes dos pacientes no quadro, há cores que correspondem ao tempo médio que cada um irá permanecer no hospital, de acordo com o seu histórico de saúde. “Nossa preocupação é trabalhar esse paciente desde sua entrada no serviço de saúde, na maioria das vezes vindo do Pronto Socorro João Paulo II, ou através da regulação, passado desse processo de entrada no hospital todo o desfecho. Toda jornada desse paciente dentro do serviço precisa ser monitorada, precisa ter estratégia pra momentos diferentes, momento de classificação de risco, momento de sua cirurgia e pós-cirurgia e no momento de alta, tendo todo cuidado integral”, destacou o consultor do Sírio Libanês.

José Pereira disse ainda que o Estado oferece ao paciente uma assistência, como o serviço do Samd (Serviço de Assistência Multidisciplinar Domiciliar), onde o paciente pode fazer esse tratamento na sua residência com o cuidado da sua família e com uma equipe técnica especializada.

Para o responsável pela reformulação do complexo regulador estadual, Sérgio Mello, os próximos passos serão a regulação estadual. “Esse encontro foi muito produtivo e vantajoso,  com isso vamos otimizar os leitos dentro da ortopedia do Hospital de Base, unindo Núcleo de Segurança do Paciente, Comissão de Infecção Hospitalar e o Núcleo Interno de Regulação, vamos conseguir juntar o NIR (Núcleo Interno de Regulação) do JPII e HB, tomando conta dos mapas cirúrgicos, usando o modelo da ortopedia, acreditamos que dessa forma conseguiremos dar mais agilidades nas cirurgias ortopédicas, e consequentemente dando vazão aos pacientes do JPII”, afirmou.

Fonte: Secom – Governo de Rondônia

Facebook Comments