Coluna Zona Franca

MST não é terrorista!

Filas para receber ossos de boi e carcaças de animais, miséria nas ruas e até famílias desenterrando frango estragado em lixão. Cenas como essas são cada vez mais comuns em um país com fome crescente diante da desastrosa política econômica do governo Bolsonaro. E uma das organizações que mais vem atuando para atenuar o problema é justamente alvo de ataque do presidente e seus apoiadores: o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Através de suas cooperativas de agricultura familiar associadas e ajuda da população, o MST já doou, desde o início da pandemia do coronavírus, em março de 2021, mais de 6 mil toneladas de alimentos e 1.150.000 marmitas para pessoas em situação de vulnerabilidade em todo o país. O MST não é terrorista. É vida!

Sem surpresas

O deputado estadual bolsonarista de Rondônia, Jhony Paixão (PRB), foi alvo nesta sexta-feira (14) de uma operação da Polícia Civil que investiga  esquema de corrupção; rachadinha, servidores fantasmas e fraude. Ele foi autor de uma medalha de Mérito Legislativo Rondoniense para o presidente Jair Bolsonaro (PL). A operação, nomeada “O chamado”, trabalha para desarticular uma quadrilha envolvida em suposto esquema de desvio de verbas públicas. A polícia realizou buscas no gabinete de Jhony Paixão na Assembleia Legislativa do estado e em endereços de outras pessoas suspeitas de participarem do esquema. O deputado bolsonarista é cabo da Polícia Militar de Rondônia e foi vereador do município de Ji-Paraná. Quando a medalha para Bolsonaro foi aprovada, ele próprio fez a entrega, aproveitando uma viagem do presidente à Rondônia, para inaugurar a obra da ponte do Abunã, iniciada no governo Dilma (PT), que estava 90% concluída.

A pandemia se agrava

Em todo os estados brasileiro, está faltando profissionais da saúde, (médicos, enfermeiras/os ,auxiliar de enfermagem, testes para COVID). Mundo registra mais de três milhões de casos diários de COVID em apenas uma semana, pela primeira vez.  90% das pessoas que estão hospitalizadas, não tomaram a vacina. OMICROM a variante dos não vacinados.

Ciro X Moro

Os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT-CE) e Sérgio Moro (Pode-PR) poderão se digladiar num debate próximo, antes das eleições. Moro disse que debateria com qualquer um e Ciro aceitou o desafio: ‘Vou lhe mostrar por que o Plano Real e a Lava Jato fracassaram’. Resta saber se o Marreco vai recuar. Apostamos que sim, recuará. Covarde que é. Já inventou até uma Covid no lombo e vai dar uma sumida de uns 15 dias.

Casa da Mãe Joana

No Reino Unido o parlamento está exigindo a renúncia do primeiro ministro Boris Johnson por participar de uma festa em Downing Street, sua residência oficial, enquanto o país era exortado a se isolar para a contenção da pandemia. No Brasil, o presidente Bolsonaro não só participou, como organizou eventos onde apareceu sem máscaras e aglomerando geral. Na Europa, o erro do ministro está sendo investigado. No Brasil, esquecido e até estimulado. Lembrando que Bolsonaro é o único presidente do mundo que é contra vacinas e contra isolamentos. Mesmo após as mortes de mais de 620 mil pessoas.

Mais médicos

Além de anular a reforma trabalhista, Lula, se eleito, claro, tem que prometer que vai trazer todos os médicos cubanos de volta (cerca de 10 mil), para atuarem no sertão e Amazônia brasileira. Além da pandemia, milhares estão morrendo de várias doenças por falta de médicos, principalmente em áreas extremas do país.

Pesquisas

Segundo todas as pesquisas e as primeiras de 2022, o ex-presidente Lula tem grandes chances de retornar ao comando da Nação. Mais pelo desastre que está sendo o governo Bolsonaro, do que pela competência já comprovada do petista. Bolsonaro é o maior cabo eleitoral de Lula. Realizada pela Quaest e pela Genial Investimentos, a primeira pesquisa do ano eleitoral sobre intenções de voto para presidente aponta uma vitória, já no primeiro turno, do ex-presidente Lula. No levantamento, ele tem 45% das intenções de voto no cenário simulado, no qual são apresentadas opções ao entrevistado. Em segundo lugar, consta o presidente Jair Bolsonaro, com 23%, seguido por Sergio Moro, com 9%; Ciro Gomes, com 5%; João Doria, com 3%. Somados atingem 39%.

Rondônia

O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha (PSL), eleito na enxurrada da onda bolsonarista em 2018, dificilmente se reelegerá. Além de não cumprir as principais promessas de campanha, Marcos Rocha seguiu a cartilha sanitária de Bolsonaro, incluindo medicamentos sem eficácia no combate à Covid 19 nas prateleiras dos hospitais. Ele mesmo entregou Cloroquina e Ivermectina para as pessoas. Na administração não fez nada de extraordinário além da obrigação.

Rondônia 2

Cara de mau

Marcos Rocha proibiu a destruição de equipamentos em operações ambientais. É uma vitória para os infratores ambientais. Mesmo com pareceres contrários da PGE e Sedam. E mesmo sabendo que a  Lei Federal (CF ) é maior do que a lei estadual aprovada na bolsonarista Assembleia Legislativa de Rondônia. Segundo especialistas, será revogada.

Rondônia 3

Aquele que seria o favorito ao governo de Rondônia, senador Marcos Rogério (PL-RO), nem candidato será mais, segundo noticiários locais. Queimado durante a CPI da Covid, o “cão de guarda” de Bolsonaro no Senado, deverá se contentar em ser o líder do governo. Só.

Eleições 2022

O PT de Rondônia está super amadurecido e não está mais aquele radical, que sempre saía em chapa puro sangue. A ordem é conversar com todos, menos com a turma do Bolsonaro (Marcos Rocha e Marcos Rogério).

Quem vai…

Para deputado estadual em Rondônia, alguns pré-candidatos já despontam como favoritos. Hermínio Coelho, recém filiado de volta ao PT, é um nome certo na Assembleia Legislativa. O homem tem votos. Com muitos votos, a promessa é que o vereador Everaldo Fogaça do OObservador (Republicanos) seja eleito com facilidade novo deputado estadual.

Almir Suruí, deputado federal

O cacique Almir Suruí, escolhido pelas tribos de Rondônia, será o candidato das etnias à deputado federal. Ele está na Rede Sustentabilidade, mas há rumores de que mudará de partido. Aos 46 anos, Almir Narayamoga Suruí, do povo Suruí Paiter, é reconhecido internacionalmente como uma das lideranças indígenas mais importantes do país por ter denunciado a exploração ilegal de madeira nas terras indígenas à Organização dos Estados Americanos (OEA), por defender os direitos e a integridade dos povos. Atualmente, também é conhecido como pai de Txai Suruí, que discursou na ONU e ficou conhecida internacionalmente.

Queiroz, deputado

O ex-assessor parlamentar e policial militar aposentado Fabrício Queiroz afirmou que está negociando uma possível filiação ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), o mesmo do ex-deputado Roberto Jefferson, a quem chamou de “verdadeiro patriota”. As informações são do iG. “Vou pedir uma agenda com o presidente regional do Rio, o Neskau, para falarmos do assunto”, disse Queiroz. O PTB é um partido adequado para ele. Em Rondônia, o PTB dá abrigo a Nilton Capixaba, que já cumpriu pena por corrupção. E por falar em PTB, olha essa do prefeito de Bajé (print).

Senadores nas disputas estaduais

Rogério Carvalho (PT) em Sergipe

Pelo menos 14 dos atuais 81 senadores vão disputar o cargo de governador nas eleições de outubro deste ano. A situação mais curiosa é a do Distrito Federal. Os três senadores pretendem concorrer ao cargo: Izalci Lucas (PSDB), Reguffe (Podemos) e Leila Barros (Cidadania). Em Santa Catarina, dois dos três parlamentares devem entrar na disputa: Jorginho Mello (PL) e Dário Berger (MDB). Igualmente no Amapá: o vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede), deve enfrentar o ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre. Ainda na lista de pré-candidatos ao governo estão Fabiano Contarato (PT), pelo Espírito Santo; Rogério Carvalho (PT) em Sergipe; Jaques Wagner (PT) na Bahia; Weverton Rocha (PDT) no Maranhão e Rodrigo Cunha (PSDB) em Alagoas.

Vacinas

As primeiras doses da vacina da Pfizer contra a covid-19 para crianças de 5 a 11 anos chegaram ao Brasil e já foram entregues aos estados e ao Distrito Federal. Como sempre, João Doria, governador de São Paulo, saiu na frente mais uma vez. A 1ª criança brasileira foi vacinada nesta 6ª feira (14.jan.2022) contra covid-19, em São Paulo. O menino Davi de 8 anos é indígena, da etnia Xavante, do Mato Grosso. A imunização do garoto foi transmitida pelo Governo de São Paulo. Além dele, mais 14 crianças foram imunizadas contra covid durante evento promovido pelo Governo de São Paulo. Entre o público vacinado nesta 6ª feira (14.jan.2022), também estão crianças quilombolas e com deficiência….

Fake news

Como o TSE não penalizou quem espalhou e lucrou eleitoralmente com as fake news em 2018, a estratégia político eleitoral retorna com força total, pelas mãos dos mesmos investigados. A última, acusa Lula de passar férias a bordo de um luxuoso iate, já desmentida, claro. O próprio filho do presidente, Carlos Bolsonaro, suspeito de comandar o Gabinete do Ódio, é quem está espalhando em suas redes sociais. Pelo jeito, o crime compensa.

HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL

Enxergar a luz no final do túnel é sempre uma motivação para revigorar a resistência e a disposição de lutar para sair da escuridão. Ela já nos aparece de forma muito nítida, promovendo a esperança de dias melhores e de construção de um novo caminho a ser percorrido. A luz surge como uma estrela guia para irmos ao encontro de um amanhã onde prevaleça a consciência de que é preciso resgatar o estado democrático de direito em nosso país. Para que isso aconteça, é necessário que, irmanados num só pensamento, sigamos em direção a essa luz.

Ela já brilha de forma intensa, a cada dia que passa, nos oferecendo a oportunidade de construirmos um novo tempo. Não podemos ficar em posição estática diante dessa luz que nos convoca. Ainda que queiram nos impedir de visualizá-la, devemos nos encorajar a enfrentar os que tentam nos impedir de prosseguir em sua direção. Ninguém consegue viver bem num ambiente de escuridão, aprisionado pela cegueira que querem nos impor, na intenção de tolher nossa liberdade de escolher para onde devemos ir.

É a luz que indica o recomeço de uma trajetória que foi interrompida. Percebemos que ela está próxima, e isso nos anima a continuar acreditando que só depende de nós encontrar o melhor caminho no amanhã. Essa luz representa a confiança de que as sombras ficarão para trás. Um sonho que se converterá em realidade. Essa luz apaga os medos circunstanciais. A saída do caos que estamos experimentando está na luz que vislumbramos à nossa frente.

Alguns denominam essa luz como sinal de libertação. Outros preferem identificá-la como redemocratização. Há ainda os que percebem nela um farol emancipatório. Mas tem também os que simplesmente a chamam de Lula.

Concluo com uma frase de Mandela: “Devemos promover a coragem onde há medo, o acordo onde existe conflito e inspirar esperança onde há desespero”. Sigamos ao encontro da luz que observamos no final do túnel. (Rui Leitão)