Coluna Zona Franca

                                                           Eu avisei

A frase mais postada nos últimos dois anos é “Eu avisei”. Tem até adesivos, outdoors, camisetas e cartazes com essa inscrição. O que levou 57 milhões de brasileiros caírem nessa cilada? Desconhecimento? Falta de informação? Burrice? Tudo junto e misturado? Não. Foi tudo orquestrado, planejado e executado nos mínimos detalhes. Não por Bolsonaro. Esse aí não sabe nem o rumo de um planejamento, de um projeto. Foi orquestrado por um grupo político financeiro, com o objetivo de tirar o PT do poder a qualquer custo e alçar ao Palácio do Planalto alguém que falasse a língua do “mercado”. É claro que esse “ungido” estava longe de ser Bolsonaro. O grupo imaginava que Alckmin (Geraldo Alckmin PSDB) subiria nas pesquisas. Ou Meireles (ex-Banco Central de Dilma), ou Amoedo. O que o grupo não imaginava, nem de longe, era que quem surfaria nessa onda seria exatamente o oposto do que eles buscavam. Um ser totalmente ignorante em todos os sentidos, com a maldade como bônus. Elegeram o pior dos seres vivos atualmente no planeta Terra. Elegeram um genocida, que não tem compaixão, que faz chacotas das vítimas da Covid, que não tem a mínima empatia. Elegeram o mais corrupto e o mais mentiroso de todos. Como a coluna disse no início, “eu avisei”.

                                         Prejuízo incalculável

A eleição de Bolsonaro proporcionou ao País um prejuízo incalculável, tanto financeiro quanto humano. Por uma má condução do combate à pandemia, o País mergulhou numa crise sem precedentes. Milhares de fábricas, indústrias e empresas fecharam as portas. Milhões de desempregados. O que já estava ruim, ficou pior  porque, além do prejuízo econômica, a eleição de Bolsonaro significou a assunção do negacionismo à ciência que resultou na morte de mais de 515 mil pessoas por Covid-19. Vidas ceifados que poderiam estar entre nós. Bem no início da pandemia, quando se tinha menos de 10 mil mortes (gestão Mandetta na Saúde), o Brasil caminharia para o seu Holocausto. No dia 15 de março de 2020, quando não tínhamos uma morte sequer, Bolsonaro já incitava a população a menosprezar o coronavírus realizando suas primeiras aglomerações. De lá para cá não mudou em nada o comportamento dele. Muito pelo contrário, piorou.

Mais tempo

Por essas e outras é que a comissão temporária do Senado que acompanha as ações de enfrentamento à covid-19 deverá ser prorrogada. Foi o que anunciou o presidente desse colegiado, senador Confúcio Moura (MDB-RO). A previsão inicial era que a Comissão Temporária da Covid-19 encerrasse suas atividades nesta semana, mas, devido à continuidade da pandemia, o grupo deve seguir trabalhando.

CPI da Covid prorrogada

A CPI da Covid também será prorrogada por mais 90 dias. As recentes descobertas no fosso do Palácio do Planalto deram um novo e decisivo rumo à investigação do Senado Federal. Nos subterrâneos do poder, há indícios de que a corrupção está tão ativa quanto ao vulcão Etna. Parece que o escândalo do Vacinão será maior do que todos os escândalos da República juntos. A CPI entra em sua fase mais pantanosa e potencialmente perigosa em todos os sentidos. Ameaças de mortes aos irmãos Miranda indicam que o buraco é mais embaixo.

Vacinoduto

Bolsonaro em xeque. Ricardo Barros não é só o líder do seu governo na Câmara; é, também um dos ĺíderes do Centrão, talvez o mais influente deles. O presidente pode até fingir que não há corrupção no caso da vacina e ganhar um tempinho, mas se fizer isso, só vai agravar a crise.

Vacinoduto 2

Caso Covaxin expõe contradições de Bolsonaro sobre corrupção, preço de vacina e aval da Anvisa. Presidente diz combater irregularidades, mas não investigou suspeitas; governo reclamou de valor de doses da Pfizer, mas não da Covaxin (Folha)

A frase

“Na crise de oxigênio de Manaus ele disse que por ele só comprava saco preto”. De Andrea Barbosa, ex de Pazuello.

Nem feijão, nem Cloroquina

O irmão do “apóstolo dos feijões” Valdomiro Santiago, faleceu, nesta segunda-feira (28), em São Carlos, vítima da Covid-19. Vanderlei Santiago tinha 53 anos e procurou atendimento no Centro de Triagem do Ginásio Milton Olaio após passar mal na madrugada deste domingo (27). No hospital, ele testou positivo para a covid.

Lula lá

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou a impossibilidade (imprestabilidade) de que elementos obtidos por meio do acordo de leniência da Odebrecht sejam utilizados como prova, direta ou indiretamente, contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na ação penal referente à sede do Instituto Lula. Ao deferir um habeas corpus incidental na Reclamação (RCL) 43007, o ministro afirmou que a declaração de suspeição do ex-juiz Sérgio Moro em relação ao ex-presidente contamina todas as provas obtidas contra ele a partir de sua atuação na ação penal.

Lula lá 2

Lula já provou sua inocência em todos os 15 casos julgados e concluídos. As decisões confirmam que o ex-presidente foi vítima de uma criminosa perseguição política. 

Boiada do Salles

Cerca de 60 famílias foram retiradas, no último final de semana, do “Bico do Parque”, que é a Zona de Amortecimento do Parque Estadual Guajará-Mirim.

Boiada do Salles 2

Será votado nesta quarta-feira, 30, o PL 490, que prevê alterações no Estatuto do Índio (Lei 6.001/1973), transfere da União para o Congresso  a prerrogativa de demarcar terras indígenas. O texto também insere no Estatuto a tese do Marco Temporal que reconhece o direito à terra somente de povos que ocupavam o território até a promulgação da Constituição de 1988  e barra a ampliação da terra indígena já demarcada.  O projeto de lei elimina a consulta livre prévia às comunidades afetadas e permite a implantação de hidrelétricas, mineração, estradas entre outros empreendimentos. O PL 490 também coloca em risco a política de “não contato” com os indígenas isolados ao prever a hipótese de contato por “interesse público”, que poderia ser intermediado por “empresas públicas ou privadas” contratadas pelo Estado. Tribos indígenas estão acampadas em Brasília há mais de 15 dias e estão em pé de guerra.

Boiada de Salles 3

Esse projeto 490 vai desfigurar os direitos constitucionais dos povos indígenas. Ele vem se arrastando desde 2007, teve rejeição pela Comissão de Direitos Humanos em 2009 e desde 2009 não foi pautado porque tem vícios”, destacou a deputada federal Joênia Wapichana: “É absurdo inconstitucional, que essa Casa, que a Comissão de Constituição e Justiça, que deveria prezar pela Constituição, ter o pensamento de acelerar essa desconfiguração dos direitos constitucionais”, acrescentou. A Assessoria Jurídica do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) produziu uma nota técnica em que analisa o texto. “Além de uma grande quantidade de dispositivos inconstitucionais, a análise aponta que o PL 490 afronta decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT)”.

Eleições 2022

A esquerda de Rondônia está se mobilizando para formar um arco de aliança capaz de enfrentar os defensores de Bolsonaro que almejam governar Rondônia. Tal qual em nível nacional, o agrupamento de forças é a única maneira de fazer frente ao poderio econômico e político dos pré-candidatos da direita rondoniense. O mais ameaçador deles é o senador Marcos Rogério (DEM-RO) que, embora seja motivo de piada nacional (Rolando Lero), em Rondônia ele conta com a desinformação do eleitorado que o vê como “paladino da moralidade”. Um “mito” como Bolsonaro.

Eleições 2022- 2

Marcos Rogério (DEM-RO) fez curso de iniciação à legislatura senatorial analisando os vídeos de Rolando Lero, o personagem de Rogério Cardoso na Escolinha do Professor Raimundo. Enche a boca de palavras, na base do quanto maior melhor, e, bem devagar, como locutor da Rádio Relógio, atira uma contra a outra, quase nunca ansiando fazer sentido. Ninguém lhe dá a mínima. A peroração tem o propósito único de criar confusão e lubrificar o bordão “Captei vossa mensagem, Divino Mestre”, que no caso é Bolsonaro. Os colegas se controlam para não soterrar o nobre senador com a indigência merecida de uma chuva de bolinhas de papel. (Por Joaquim Ferreira dos Santos- O GLOBO)

Em alta

O ex-prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires (PSB) é um dos nomes mais citados, tanto para o governo, quanto para o Senado Federal. Nas pesquisas está entre os favoritos. Tem a seu favor a credibilidade de um bom gestor.

Em alta 2

O ex-senador Expedito Júnior (PSDB) também está em alta e pode até mudar de partido. O PSD de Gilberto Kassab e Expedito Netto pode ser o seu destino. É que o ninho tucano está muito tumultuado. E o PSD está prontíssimo para apoiar um candidato fora do Centrão. Bolsonaro, nem pensar.

Em baixa

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), outrora favorito para o governo de Rondônia nas eleições de 2022, caiu no conto do vigário das vacinas e hoje nem sabe se será candidato ao menos ao Senado Federal.

Em baixa 2

Ivo Cassol (Progressistas), Marcos Rocha (sem partido), Alex Redano (Republicanos), Lebrão (MDB), Júnior Gonçalves (Patriotas) e a prefeita de Guajará-Mirim, Raíssa Bento (MDB), estão miseravelmente em baixa.

Pré-candidatos

Pré-candidatos ao Senado Federal: Expedito Júnior (PSDB)Jaime Bagattoli (PSL), Jaqueline Cassol (Progressistas) e Anselmo de Jesus (PT). 

Pré-candidatos 2

Para Câmara Federal: Ramon Cujuí (PT), Anselmo de Jesus (PT) ou Fátima Cleide (PT), Luiz Claudio (PL), Bosco da Federal (PTB), Fernando Máximo (Patriotas), George Braga (MDB), Roberto Kuppê (PT), Alessandra da Fetagro, Lionilda Simão do Sintero do PT e Herbert Lins (Avante).

Pré-candidatos 3

Estadual: Dr. Welisson Nunes (PDT)Dabson Bueno (MDB), Pimentel (MDB), Samuel Costa (PCdoB), Sid Orleans (Cidadania), Hermínio Coelho (PT), Everaldo Fogaça (Republicanos), Dr. Lhano Adorno (PT), Wendell Mendonça (Cidadania), Luciana Oliveira (PT), Edson Silveira (PT), Fatinha (PT), dentre outros.

 

Facebook Comments