Coluna Zona Franca

CPI da Covid

“Me chamem de corrupto, porra!”. Já pode chamar ou tem que esperar mais um pouco? “Se ele fizer merda, a gente tira”. Já pode tirar, ou ainda está cedo? Diante das descobertas da CPI da Covid, a ruína do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), está próxima. Além de outros crimes cometidos antes da eleição para a presidência, Bolsonaro terá que responder pelo genocídio de milhares de brasileiro. Pior, responder perante a justiça internacional.

CPI da Covid 2

Ontem a CPI da Pandemia aprovou uma série de requerimentos de convocação, entre eles diligência para ouvir em sessão reservada o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ). Também serão convocados a depor (nesta sexta) o deputado Luís Miranda (DEM-DF) e seu irmão Luís Ricardo Miranda, chefe da Divisão de Importação do Ministério da Saúde.  A CPI quer que os dois esclareçam denúncia de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin. Luís Ricardo Miranda afirmou ao Ministério Público que foi pressionado por superiores do ministério para a compra do imunizante.

Escolta para Witzel

Para fazer seu depoimento secreto na CPI da Covid, o ex-governador do Rio, Wilson Witzel solicitou aos senadores proteção policial para ele e sua família até fim do mandato de Jair Bolsonaro como presidente. Witzel informou que os parlamentares lhe relataram que o pedido da escolta já foi feito pela comissão.

Mais escolta

O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL),  pediu também segurança para o dono da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiliano, para que não ocorra com ele o mesmo que aconteceu com Adriano da Nóbrega, morto em 2020. A informação é do Blog do Noblat.

500 mil vidas perdidas 

No último sábado (19), o Brasil alcançou a trágica marca de 500 mil vidas perdidas pela pandemia de Covid-19. Reportagem especial apresenta dados e análises de especialistas sobre a responsabilidade do Governo Federal, que tem feito uma gestão da crise sanitária marcada pelo negacionismo científico, incompetência e falta de transparência. Esse dado reflete o momento em que a saúde dos brasileiros e da nossa democracia seguem sendo diariamente atacados pela presidência da República.

Há um ano

Frase apimentada

“Se Bolsonaro tivesse interessado em combater a corrupção, teriam investigado imediatamente a denuncia feita pelo servidor do MS. Mas como miliciano que é, fez o oposto. Não investigou o esquema da Covaxin, mas mandou investigar os denunciantes. Está claro que o genocida confessou”. Do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS).

Capitão Cloroquina

A robustez das evidências científicas sobre a ineficácia da cloroquina e demais medicamentos do chamado “kit covid” não interrompeu a marcha de Jair Bolsonaro para impor a qualquer custo o uso das drogas. Desde março de 2020, após encontrar o então presidente ianque Donald Trump, nos Estados Unidos, Bolsonaro vem distribuindo e gastando recursos públicos valiosos com a difusão do uso de medicamentos ineficazes, deixando um rastro de irregularidades administrativas, normativas e legais. Essa preferência pela Cloroquina também é objeto de investigação da CPI da Covid.

Genocídio indígena

Está para votação em plenário projeto de lei (sem audiência pública) que praticamente extinguirá a vida indígena nos próximos dez anos. O PL permitirá a mineração em terras indígenas. Nenhum parlamentar de Rondônia se manifestou contra esse crime contra as populações indígenas.

Genocídio indígena 2

O clima no acampamento dos indígenas localizado ao lado do Teatro Nacional, em Brasília, na noite de quarta-feira, era de tristeza, decepção e revolta. Muito emocionada, a coordenadora-geral da mobilização, que ganhou o nome de “Levante pela Terra”, Isabel Tukano, precisou de um tempo para encontrar  as palavras diante do que aconteceu. “Tantos parlamentares que estão falando bonito, em prol do país, mas infelizmente são os traidores da pátria, esses são os genocidas também. É muita revolta, muita”.

Genocídio indígena 3

O  coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas (Apib),  Kretã Kaingang, destacou que “a guerra continua”. “Nós perdemos só uma batalha”, acrescentou.  A deputada Joênia Wapichana (Rede/RR) passou por volta das 18h30 no acampamento e também convocou os indígenas para continuarem se mobilizando. “Essa luta não termina hoje, a luta continua e nessa luta ninguém solta a mão de ninguém”. Em resposta, os indígenas gritaram “Joenia não está sozinha”.  Os indígenas também comemoraram a saída do ministro Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente.

Eleições 2022

De 17 processos, o ex-presidente Lula já foi inocentado em 14, inclusive sobre o sítio de Atibaia e do triplex de Guarujá. Na mesma via, o ex-juiz Sérgio Moro foi confirmado parcial nos julgamentos de Lula. O petista é hoje o favorito para vencer as eleições de 2022. Em Rondônia o PT começa a se reerguer. O objetivo da sigla será eleger pelo menos dois deputados federais. Segundo o presidente Anselmo de Jesus, o partido está aberto para alianças.

Coligação camarão

O PT de Rondônia não descarta a possibilidade de formar uma grande aliança, tipo camarão quando vai à mesa sem a cabeça. Segundo fontes, estariam dispostos a formar uma excelente nominata para deputado federal, abrindo mão de candidaturas ao governo e ao Senado Federal. Os  pré-candidatos a deputados federais seriam Fátima Cleide, Ramon Cujuí, Anselmo de Jesus, Eurípedes Miranda, Alessandra da Fetagro, Lionilda Simão do Sintero e o jornalista Roberto Kuppê. Claro que tudo isso ainda será debatido nas plenárias e reuniões do partido.

PSB e PT?

Em nível nacional, PT e PSB estão caminhando para uma aliança progressista, podendo até um lançar o candidato a vice do outro. Lula é o mais forte candidato à presidência, no momento. O governador do Maranhão, Flávio Dino, que recentemente assinou ficha de filiação ao PSB, poderá vir a ser o vice de Lula.

E em Rondônia?

PT e PSB de Rondônia poderão caminhar juntos também. O ex-prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires (PSB) ou o deputado federal Mauro Nazif (PSB), poderão se lançar candidato ao governo de Rondônia, numa aliança com o PT.

Pré-candidatos

Pré-candidatos ao Senado Federal: Expedito Júnior (PSDB)Jaime Bagattoli (PSL), Jaqueline Cassol (Progressistas) e Anselmo de Jesus (PT). 

Pré-candidatos 2

Para Câmara Federal: Ramon Cujuí (PT), Anselmo de Jesus (PT) ou Fátima Cleide (PT), Luiz Claudio (PL), Bosco da Federal (PTB), Fernando Máximo (Patriotas), George Braga (MDB), Roberto Kuppê (PT), Alessandra da Fetagro, Lionilda Simão do Sintero do PT e Herbert Lins (Avante).

Pré-candidatos 3

Estadual: Dr. Welisson Nunes (PDT), Dabson Bueno (MDB), Pimentel (MDB), Samuel Costa (PCdoB), Sid Orleans (Cidadania), Hermínio Coelho (PT), Everaldo Fogaça (Republicanos), Wendell Mendonça (Cidadania), Luciana Oliveira (PT), Edson Silveira (PT), Fatinha (PT), dentre outros.

 

Facebook Comments