Coluna Zona Franca

A nova política

Bem-vindos à nova política. Processos contra integrantes do governo Bolsonaro sob sigilo por 15, 30 e até 100 anos como o caso do ex-ministro Pazuello. Cartão de vacinação de Bolsonaro (que já tomou as duas doses e engana os bestas de seus seguidores dizendo que não) está sob sigilo por 50 anos. As investigações sobre o crime da chacina de Jacarezinho (Rio) estão sob sigilo por cinco anos. O Portal da Transparência do Governo Federal está inoperante. E quando um policial federal ousa investigar integrantes do Governo Federal é sumariamente demitido, delegados afastados do caso.

BNDES, quem diria

Sabem a caixa preta do BNDES, que Bolsonaro pagou 48 milhões de reais para abri-la? Pois é. Jogaram no fundo do mar. Descobriram que só tinha empresários da direita que contraíram financiamentos junto ao BNDES, como o Véi da Havan que pegou 52 empréstimos a juros irrisórios. A Caixa Preta revelou que vários empresários compraram jatinhos com o dinheiro do BNDES. Pior (ou melhor), descobriram que não tinha nada de irregular nos financiamentos de obras na Venezuela, Cuba, etc. Pior ainda (ou melhor ainda), descobriu-se que os Estados Unidos foram os que mais tiveram acesso aos recurso do BNDES. Nessa semana descobriu-se que o BNDES financiava o blogueiro Allan dos Santos, cuja especialidade é espalhar fake news.

Acelera pra Cristo

Em tempo de pandemia acelerada, com quase 480 mil mortes,  Bolsonaro vai participar em São Paulo, do terceiro passeio de motos. O evento que será no dia 12 de junho, é organizado por simpatizantes evangélicos e tem o sugestivo nome de “Acelera para Cristo”. Acelera mesmo. Toda vez que Bolsonaro participa de aglomerações, alguns participantes têm encontro mais rápido com Jesus.

 

Dia 19, Dia D

A esquerda também está aglomerando, mas com um objetivo, afastar Bolsonaro da presidência. Nesse sentido, fazendo sacrifícios e correndo riscos de vida, brasileiros vão se manifestar no próximo dia 19 de junho em todo o Brasil. Há previsões de que uma multidão de mais de cinco milhões de pessoas vão realizar protestos em mais de 300 cidades.

Na mosca!

Esta coluna ZF antecipou em um dia a operação que afastou o secretário de Saúde de Ji-Paraná. A previsão é de prisão do prefeito futuramente. A prefeita de Guajará-Mirim também está na mira da PF. Guajará-Mirim não aprende a votar em prefeito. Só elege tranqueira, curva de rio.

Nos bastidores

Tem um senador de Rondônia que vai sofrer um revés tremendo num futuro bem próximo. Sem dar detalhes, fonte da coluna garante que vai haver muito barulho, pois envolve bastante o suplente dele. E um jornalista ligado ao Mais RO, teve um encontro casual com o senador Renan Calheiros (MDB-AL), no embarque de Maceió para Brasília. A CPI da Covid promete lances emocionantes. Haja Rivotril.

CPI da Covid

Hoje é a vez do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que volta à CPI para prestar novos depoimentos. Amanhã, 9, será sabatinado o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco. Ele era o braço-direito do ex-ministro Eduardo Pazuello na pasta. No próximo dia 10, os senadores conversam com Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas. Evidentemente, esse depoimento vai se concentrar na crise do oxigênio pela qual o estado passou no início do ano. Na mesma semana, no dia 11, Cláudio Maierovitch, ex-presidente da Anvisa, será interrogado. O sanitarista também é pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ainda neste dia, a cientista da Universidade de São Paulo (USP), Nathalia Pasternak, vai dar seu ponto de vista sobre os questionamentos da CPI.

Gabinete paralelo

Dois médicos conselheiros do CFM (Conselho Federal de Medicina) participaram de uma reunião do “gabinete paralelo”, investigado pela CPI da Covid, no Palácio do Planalto, em setembro do ano passado, junto ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). A endocrinologista Annelise Mota de Alencar Meneguesso, conselheira federal pelo estado da Paraíba, e o urologista Luís Guilherme Teixeira dos Santos, conselheiro federal pelo estado do Rio de Janeiro, foram gravados falando ao microfone em um vídeo publicado na própria página de Bolsonaro no Facebook, no dia 8 de setembro de 2020. Esse evento foi batizado de “gabinete paralelo” por senadores que investigam as ações do governo federal no combate à pandemia após testemunhas terem relatado que Jair Bolsonaro era assessorado por médicos de fora do Ministério da Saúde. Ao começar sua fala, Annelisse apresenta a si e a Luís Guilherme como conselheiros federais do principal órgão médico do país. Drª Flávia Lenzi que é a presidente do Sindicato Médico do Estado de Rondônia, SIMERO, também estava presente, conforme o vídeo abaixo: (Fonte: UOL).

Cantora Gioconda Trivério

Os artistas de Rondônia estão sendo descobertos por promotores de eventos do Sul do Pais e até da Argentina. A cantora Gioconda Trivério, de Porto Velho brilhou num programa de rádio apresentado por Letícia Navarro (ex-Mascarponne), em Buenos Ayres. E hoje, terça 8, Gioconda se apresenta na Arena Corínthians , em São Paulo. Sucesso.

Eleições 2022

Devem disputar a única vaga de senador por Rondônia os seguintes pré-candidatos: Jaime Bagattoli (PSL), Jaqueline Cassol (Progressistas) e Anselmo de Jesus (PT). Vários nomes estão circulando como potenciais candidatos a cargos eletivos, seja para a Câmara Federal, seja para a Assembleia Legislativa. Para Câmara Federal: Ramon Cujuí (PT), Anselmo de Jesus (PT) ou Fátima Cleide (PT), Luiz Claudio (PL), Bosco da Federal (PTB), Fernando Máximo (Patriotas), George Braga (MDB), Roberto Kuppê (PT), Alessandra da Fetagro e Lionilda Simão do Sintero do PT. Estadual: Dr. Wellison Nunes (PDT), Dabson Bueno (MDB), Pimentel (MDB), Samuel Costa (PCdoB), Sid Orleans (Cidadania), Hermínio Coelho (PT), Everaldo Fogaça (Republicanos), Wendell Mendonça (Cidadania), Edson Silveira (PT), Fatinha (PT), dentre outros.

Governo de Rondônia

É bem capaz de Ivo Cassol (Progressistas) tornar-se elegível em 2022, mas vai ter que gastar muito dinheiro com advogados e juízes corruptos. Caso se candidate, será o único ex-governador condenado e preso por corrupção na disputa.

Lebrão e Júnior Gonçalves injustiçados?

O presidente da Assembleia Legislativa, Alex Redano (Republicanos) defendendo o deputado Lebrão (MDB-RO), flagrado pegando dinheiro de propina, não tem preço. No mesmo vídeo, Redano elogia o ex-chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves. É dose pra leão.

No discurso, Redano faz questão de lembrar a Marcos Rocha, presente à reunião, a parceria dos deputados que, conforme o presidente da ALE, deram um “cheque em branco” ao governador.

Só para lembrar, “cheque em branco” é um termo usado para identificar algo que se dá para alguém sem preocupação de fiscalizar o uso, como, comparativamente o eleitor faz a cada quatro anos ao votar neste ou naquele candidato.

No afã de agradar, o presidente do Poder Legislativo enfatiza que que o “cheque em branco” foi de 800 milhões de reais, ou aproximadamente 10% do orçamento estadual para 2021 que gira em torno de 8,6 bilhões de reais.

Mas não ficou só nessa confissão de renúncia ao que a lei determina seja de obrigação constitucional da Assembleia Legislativa. No discurso, Redano transformou em “santo” seu colega de plenário o deputado Lebrão, flagrado pegando dinheiro vivo, que seria pagamento de propina da empresa que recolhe lixo em pelo menos quatro cidade de Rondônia, mas principalmente, em São Francisco, sua base eleitoral à época administrada pela sua filha, Gislaine Lebrinha.

Por equipe do Mais Rondônia

Facebook Comments