Rumo às 400 mil mortes

Virou fumaça o “tratamento” divulgado pelo ex-governador de Rondônia, Ivo Cassol (PP). Não tinha como prosperar algo tão maluco e sem comprovação científica. Já era, passados um mês, para que esse “tratamento” fosse adotado por milhões de pessoas. A Cloroquina também, não tem eficácia nenhuma. Aliás, tem: agrava a situação do paciente. A vacina sim, tem trazido resultados. A CPI do Genocídio quer saber, então, por que Bolsonaro negou 11 vezes a compra do imunizante? Hoje, com quase 400 mil mortes, quem vai pagar por tantas mortes? Collor disse que a CPI é para atingir o presidente. Ué! Era para atingir o Biden? O Putin? Quem mais poderia ser atingido, senão Bolsonaro?

A lista

Sabe aquela lista de prováveis acusações que a CPI vai fazer contra o governo? Pois é. Servirá como base para a CPI questionar o governo o porquê da omissão e falta de ações no combate à pandemia. Em off, aquela lista tem a cara de Onix Lorenzoni, que já fez outras trapalhadas comprometendo o governo.

Renan relator

Não demorou nem 24 horas e o TRF 1 restabeleceu a lei no Congresso Nacional. Renan Calheiros (MDB-AL) será eleito o relator da CPI da Covid. O senador Flavio Bolsonaro está manobrando para impedir que o MDB assuma a relatoria da CPI da Covid. Blindar os crimes da família virou a especialidade do senador. Eles estão desesperados.

Negacionistas intubados

Esse negacionista (Bolsonaro) é tão destrutivo e mortal quanto essa Covid-19. Entre outras, parecendo à viúva negra, detonou o próprio partido que o elegeu (PSL), e não satisfeito leva milhares dos seus perturbados seguidores a morte. (De Cesário Pereira, Facebook).

 

Veneno pode

A Anvisa frustrou o governador de Rondônia, Marcos Rocha (sem partido), que anunciou que havia adquirido 1 milhão de vacinas Sputnik V, da Rússia. Segundo os técnicos da agência, faltam dados que comprovem as condições dos lotes que seriam enviados ao Brasil. Também há carência de dados de eficácia e segurança. A mesma Anvisa já liberou veneno para a agricultura sem questionar as consequências. A Sputnik já é ministrada em vários países com sucesso.

 

Bolsonaro por trás

A mando do presidente militar a aparelhada ANVISA não aprovou a vacina usada em mais de 60 países, estudada e aprovada por mais de 20 países. O juiz do supremo Lewandovski, porém, autoriza aos governadores e prefeitos a compra e o uso no Brasil.

Bolsonaro em RO

No dia 7 de maio, o presidente Bolsonaro entrega mais uma obra do PT, a ponte do Abunã. Sem dúvidas, uma obra muito importante para os estados de Rondônia e Acre. A previsão é que mais de dois mil veículos cruzem a ponte, que possui 1,9 quilômetros de extensão, todos os dias. Atualmente, a travessia sobre o rio Madeira é feita por balsas, em média, meia hora. Com a conclusão da ponte, será possível cruzar o Madeira em poucos minutos.

Hildon Chaves 1×1 Marcos Rocha

No campeonato pelas vacinas, o governador Marcos Rocha acaba de empatar o jogo. Ele havia ironizado o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), que foi enganado ao comprar 400 mil doses de vacina inexistentes. Com o sinal negativo da Anvisa, por enquanto, as 1 milhão de doses foram para o espaço também.

Hermínio no PT

O PT de Rondônia se animou com a volta do ex-deputado estadual Hermínio Coelho (PV) que deixou a sigla há mais de dez anos. Em breve assinará ficha de filiação. Enquanto isso, três deixarão o PT: Roberto Sobrinho já foi. Padre Ton e Lazinho da Fetagro deixarão em breve.

Coligação camarão

O PT de Rondônia estaria disposto a abrir mão de candidaturas majoritárias (Governo e Senado), para eleger pelo menos dois deputados federais. Com o encolhimento da sigla no estado, o PT está sem quadros competitivos para disputar o governo. Na última reunião do partido, a ex-senadora Fátima Cleide foi indicada para a Câmara Federal e, num cenário favorável, ao Senado Federal.

Homenagem

Segundo o vereador Everaldo Fogaça (Republicanos), tem um projeto de autoria do Executivo Municipal de Porto Velho denominando ruas do residencial Cristal da Calama com nome de pedras, tipo Ametista, Turmalina, Diamante, Esmeralda. “Conversamos com o Executivo para que possamos fazer uma emenda modificativa, dando nomes de jornalistas e figuras ilustres de Porto Velho que morreram em decorrência da Covid-19”, disse o edil. Excelente iniciativa. Nomes de jornalistas ou personalidades falecidos por Covid: Gessy Taborda, Marcelo Bennesby, Francisco Matias, Chagas Pereira, Anisio Gorayeb, Walter Waltenberg, Mário Calixto, Luiz Júnior, Lima Neto, além de Alberto Andreoli (filho de Paulo Andreoli) e Yodon Guedes, que não morreram de Covid.

 

Por equipe do Mais Rondônia

Facebook Comments