Lula fora de 2022?

O sistema não quer que a esquerda volte ao poder. Também não quer a continuidade do desastre Bolsonaro. Estão tentando tirar Lula do páreo usando os mesmos métodos de Moro (deu certo, né?), custe o (desgaste) que custar. Ao mesmo tempo estão procurando um nome de “consenso” para disputar a presidência em 2022. Bom, pode até surgir um nome, mas será mais do mesmo e o Brasil continuará essa destruição que ora se verifica.

Nomes para 2022

Pela esquerda, além de Lula, temos nomes como Haddad (PT) e Flávio Dino (PCdoB). Pela direita temos Ciro Gomes (PDT), João Doria Jr (PSDB), Rodrigo Pacheco (DEM), Amoedo (Novo), além de Bolsonaro, claro.

Rio 2022

O Rio de Janeiro. Ah, o Rio de Janeiro. Saudades dos tempos em que o Rio era conhecido pelo carnaval, mulatas, samba, praias e o Rock In Rio. Hoje em dia o Rio é conhecido pelas milícias, pelos cinco governadores presos por corrupção. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) gravou um áudio no qual se diz no limite e disposto a enfrentar (de novo) o crime organizado e disputar as eleições para governador em 2022. Freixo é conhecido por ter enfrentado as milícias como deputado estadual, cuja atuação virou filme, duas edições de Tropa de Elite. Mas, apesar disso, o Rio continuou o mesmo, elegendo milicianos como o vereador Dr. Jairinho (Solidariedade), que todos conhecem. No final desta coluna ouça o áudio de Freixo.

Pacheco!

O portovelhense Rodrigo Pacheco (DEM-MG), está pisando na bola como presidente do Senado Federal. Tem mostrado alinhamento com o presidente Bolsonaro, o que é prejudicial para a saúde. Com mais de 350 mil mortes, disse que não é hora para um impeachment, além de ser contra a CPI da Covid. Que horas será aceitável para um impeachment? Quando atingirmos 500 mil ou 1 milhão de mortes?

Araraquara

Sabem Araraquara (SP)? Há quatro dias não há óbito por Covid-19. Lá se fez lockdown de verdade e não se utilizou tratamento precoce. O município é administrado pelo petista Edinho Silva (foto). Mas, sabe qual cidade Bolsonaro elogiou e foi até lá fazer média? Chapecó (SC), onde há registros de mortes diariamente. O prefeito de lá faz propaganda aberta do tratamento precoce, que não é recomendado e tem causado mortes.

Em Rondônia

O ex-governador de Rondônia e atual senador da República, Confúcio Moura (MDB), fez uma previsão que se concretiza no momento. “Os prefeitos eleitos em 2020 vão comer o pão que o diabo amassou. Vão enfrentar as piores crises nunca imagináveis”. Por conta da pandemia, é o que está ocorrendo. Prefeitos à beira de um ataque de nervos. Prefeitos de Rondônia estão se virando (sozinhos) como podem. O governador alinhado ao presidente, praticamente os abandonou.

Hildon Chaves X Jesualdo Pires

O prefeito de Porto Velho Hildon Chaves (PSDB), se as eleições fossem hoje, estaria no segundo turno e com certeza seria o governador de Rondônia. Calma, se as eleições fossem hoje. Porém, há muita água para rolar por debaixo das ponte dos rios Madeira e Abunã. Hildon Chaves não poder errar nenhum milímetro até as eleições de outubro do ano que vem. Por outro lado, surge um nome forte, de centro esquerda, que poderia aglutinar as forças em torno de um projeto de governo que contemplasse o pobre, maior afetado pela pandemia. Jesualdo Pires, do PSB. Mas, para isso, ele teria que fazer uma aliança bem substanciosa, que mexesse com o eleitorado de uma forma positiva.

Vacinas Porto Velho

Fabrício Jurado 

O secretário Geral de Governo do prefeito Hildon Chaves (PSDB), Fabrício Jurado (DEM), afirmou que as 440 mil doses da vacina compradas pela prefeitura devem chegar nos próximos dias, sem precisar a data. Serão vacinados somente moradores da capital, 20 mil por dia, durante 10 dias. De acordo com Jurado, na última sexta-feira foram resolvidos os últimos entraves da compra de 400 mil doses da vacina AstraZeneca, suficientes para imunizar 200 mil pessoas, “a prefeitura já cumpriu toda sua parte. O próprio prefeito vem trabalhando nessa compra, cuidando de cada detalhe, e nossa parte já foi concluída”, disse Jurado.

Marcha para a família

O vereador Jairinho (Solidariedade-RJ) não conseguiu habeas corpus a tempo de participar da Marcha para a Família e Liberdade, que acontece hoje em algumas  cidades do País. Jairinho é ferrenho defensor da família e contra as ideologias de gênero. Miliciano, no momento está preso pelo assassinato de um enteado. Logo estará nas ruas. Em tempo. Ele foi expulso do Solidariedade, mas só depois prisão.

 

Ouça aqui a entrevista de Marcelo Freixo

Por equipe de Mais Rondônia

 

 

Facebook Comments