Coluna Zona Franca

0
138

Por Roberto Kuppê (*)

                                       Eleições 2026

Em pré-campanha ao governo de Rondônia, o  prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (União Brasil), apresentou em Barcelona as potencialidades do município para empresários catalães. A ação ocorreu durante a missão internacional promovida pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), que inclui a programação do Smart City Expo World Congress, maior evento sobre cidades inteligentes do mundo, realizado em Barcelona (Espanha), entre os dias 6 e 9 de novembro.

Eleições 2026-2

Com a caneta na mão, HC vai pavimentando sua caminhada rumo ao Palácio Rio Madeira. É o que se desenha se a oposição não correr contra o tempo. Dentro da direita bolsonarista existem outros nomes fortes como Ivo Cassol (PP), Marcos Rogério (PL), Expedito Júnior (PSD), etc. Mas, cá pra nós, já a esquerda não tem nenhum nome forte. Vai depender das eleições municipais de 2024 para que surjam novos nomes que possam disputar o governo em 2024.

SINJUR

As eleições pelas mudanças na direção do SINJUR ganharam as ruas, as redes sociais e quase não sai. Ontem, segunda, aconteceu uma assembleia geral extraordinária que  visava desfazer a Comissão Eleitoral do certame, mas, a maioria decidiu pela permanência. As eleições serão realizadas no dia 27/11/2023, com as Chapas 1 e 2 já com seus registros homologados.

Chapa 2

Pode ser uma imagem de texto que diz "#VAMOS PRO VOTO RESPEITEM O VOTO DOS SERVIDORES! DIA 06 DE NA VOTE ASSEMBLÉIA NOVEMBRO GERAL COMISSÃO ELEITORAL! DESTITUIÇÃO PARA A NÃO! DA CHAPA 02 2 SINJUR SOMOS TODOS NÓS."A Chapa 2 capitaneada por André Coelho foi a responsável pela manutenção da Comissão Eleitoral. Com a articulação da chapa, a maioria votou pela manutenção.  Apenas 80 votaram contra. “O resultado mostra, por si só, a expressiva e latente vontade do colega servidor que a Comissão Eleitoral está no caminho certo”, disse André Coelho.

Prevaleceu a democracia

A tentativa de cancelar as eleições não deu certo. “O verdadeiro poder do SINJUR está na vontade de seu filiado que, na data de hoje, se manifestou com severa assertividade sua repulsa a qualquer ingerência na eleição. Desta feita, percebemos que o chamamento a esta Assembleia foi notável perda tempo e de energia”, disse Coelho em Nota da Chapa 2.

Mudanças

O PT de Rondônia mais uma vez comeu mosca. Indicado pelo deputado federal Crisóstomo (PL-RO), Bosco da Federal deixou ontem a chefia da Divisão de Pessoal do Ex-Território Federal de Rondônia, Departamento de Centralização de Serviços de Inativos, Pensionistas e Órgãos Extintos do Ministério da Economia. Para ocupar este cargo de nome extenso, deverá ser indicado um tal de José Carlos dos Santos, que ninguém sabe quem é. Parece que é importado de São Paulo. Bosco da Federal vinha exercendo a função com maestria e competência, há de se ressaltar. O setor cuida da transposição dos servidores.

                                  À prova de meteoro

O jornal Diário da Amazônia foi homenageado pela ALE-RO pelos seus 30 anos de fundação. A homenagem foi proposta pela deputada estadual Ieda Chaves (União Brasil). Único sobrevivente do meteoro digital que extinguiu os outros diários (AM, Estadão, etc), o da Amazônia resiste bravamente até na era da Inteligência Artificial (IA).

“Privatiza que melhora”

Cerca de 500 mil pessoas estão sem luz depois de quatro dias do problema na capital paulista. O governo do presidente Lula (PT), por meio do ministro da Justiça, Flávio Dino, notificou a Enel para que representantes da empresa esclareçam o que está ocorrendo em relação à dificuldade de retomar a distribuição de energia e quais alternativas a companhia vai colocar em prática para a normalização do serviço. “O Ministério da Justiça, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor, vai notificar a concessionária de energia elétrica em São Paulo para explicar a interrupção nos serviços essenciais. Outras iniciativas serão anunciadas pelo secretário Wadih Damous”, afirmou Dino.

“Privatiza que melhora” 2

Há quatro dias os paulistanos estão nessa situação calamitosa. A Enel é uma empresa privada, que assumiu o comércio de energia elétrica em São Paulo. A coluna, claro, vai criticar as privatizações, principalmente de empresas que prestam serviços imprescindíveis como energia e água. A maioria do paulistano e dos paulistas apoiou a privatização dos serviços de energia elétrica. Chegou a conta.

O que é essa Anel?

A Enel, empresa privada, assumiu a distribuição de energia para 24 municípios do estado de São Paulo desde 2019.  Segundo dados do balanço de sustentabilidade da Enel, o índice de satisfação de qualidade percebida pelos consumidores está em queda desde 2019, primeiro ano que a empresa assumiu a concessão da distribuição de energia em São Paulo. O índice era de 69,7% em 2019; de 66,5% em 2020 e de 56,4% em 2021. No ano passado, ficou em 55,5%. A Enel SP está na posição 19º no ranking do Indicador de Desempenho Global de Continuidade da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), entre 29 concessionárias de grande porte avaliadas. No entanto, é uma das mais lucrativas, principalmente porque enxugou a folha de pagamento ao demitir milhares de eletricitários.

Sabesp (Caerd)

CAERD - COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO ESTADO DE RONDÔNIAA privatização da Sabesp (a Caerd de Rondônia), no governo Tarcisio de Freitas (Republicanos-SP), pode ter subido no telhado. Isso porque um grupo de bolsonaristas decidiu entrar na justiça contra a privatização de uma das principais empresas de saneamento do País, como informa a jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo. “Existe uma direita preocupada com a soberania do Brasil. E a Sabesp é um ativo estratégico do país, é uma das maiores empresas do mundo na distribuição de água e também na área do saneamento básico”, afirma o advogado Fabio Wajngarten.

Sabesp (Caerd) 2

Segundo a colunista, “um dos passos será procurar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça para abastecê-lo com informações sobre o prejuízo que a venda da participação do Governo de SP na estatal poderia, segundo o grupo, causar aos consumidores”. André Mendonça é o relator de uma ação movida pelo PSOL e pelo PT contra a privatização. Em Rondônia querem privatizar a Caerd e ninguém fala nada, ninguém diz nada.

Genocidas unidos

Pode ser uma captura de tela do Twitter de 5 pessoas e texto que diz "Henrique Palmiery @opalmiery 4h Eduardo Bolsonaro vem trabalhando para dificultar a saída dos brasileiros de Gaza, entre seus argumentos, ele alega que o PT está ligado ao Hamas pela tríplice fronteira, que o partido está organizando atos pró Hamas e contra Israel. jogo sujo de quanto pior melhor!"Parece que os genocidas de Israel estão mancomunados com os genocidas brasileiros. Não há outra explicação para o impedimento de brasileiros em Gaza, serem liberados para voltar ao Brasil. Nesta terça-feira (7), mais conhecida como hoje, o governo egípcio retomou a divulgação de uma lista de cidadãos estrangeiros e com dupla nacionalidade autorizados a deixar a Faixa de Gaza, informa a Folha de S. Paulo. Esse território é controlado pelo grupo palestino Hamas e tem sido alvo de ataques de Israel há um mês. A nova rodada de autorizações inclui cidadãos de diversos países, como Alemanha (159), Romênia (104), Ucrânia (102), Canadá (80), França (61), Moldova (51), Filipinas (46) e Reino Unido (2). No entanto, o Brasil, que tem 34 pessoas aguardando para sair da Faixa de Gaza, não foi incluído mais uma vez, de acordo com o embaixador Alessandro Candeas. A coluna não duvida que haja interferência de do clã Bolsonaro. Desse povo não se espera nada de bom.

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político.

Informações para a coluna:  [email protected]

(*) O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Mais RO não tem responsabilidade legal pela opinião, que é exclusiva do autor.