Coluna Zona Franca

Deu a lógica

Como já era esperado e a Coluna Zona Franca já havia adiantado com absoluta precisão, foram eleitos presidentes da Câmara e Senado Federal, o deputado Arthur Lira (PP-AL) e senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), respectivamente. Os rumores de compra e venda de deputados e senadores foram confirmados. A mercadoria foi entregue.

O deputado Arthur Lira discursa durante sessão para eleição dos membros da mesa diretora da Câmara dos Deputados.

Começou mal

Líderes e parlamentares do PT, MDB, PSB, PSDB, PDT, PCdoB, CIDADANIA, PV e REDE, bloco partidário que deu apoio à Baleia Rossi (MDB-SP), acusaram o novo presidente da Câmara de infringir o regimento. Os partidos que se uniram em torno da defesa de uma Câmara livre e independente repudiaram, com a mais intensa veemência, o ato autoritário, antirregimental e ilegal praticado pelo deputado Arthur Lira. A eleição é una: não se pode aceitar só a parte que interessa. Ao assim agir, afrontando as regras mais básicas de uma eleição – não mudar suas regras após a sua realização -, o referido deputado coloca em sério risco a governabilidade da Casa.

Começou mal2

A insistir nesse caminho, perderá qualquer condição de presidi-la, já que seu primeiro ato desacredita o que acabara de dizer: que decidiria com imparcialidade. Foi a desmoralização mais rápida de um discurso que já se viu. A única voz que o mesmo aceita que se ouça na Mesa Diretora da Câmara é a voz daqueles que com ele concordam. Os que ousam defender uma Câmara altiva ele quer calar, já em seu primeiro movimento, tentando esmagar a representatividade dos partidos que apoiaram Baleia Rossi. O grupo vai ao STF.

Ditador?

Começando desse jeito, dificilmente Arthur Lira terá apoio nas votações de toda a Casa. Sempre haverá rusgas, obstruções, brigas. Não será uma presidência saudável. Rodrigo Maia (DEM-RJ) era um frouxo, mas sabia conduzir a casa. Bagre ensaboado. Bolsonaro achando que ganhou, poderá perder muito se a condução da Casa for a mesma do Palácio do Leite Condensado.

Ditador? 2

Bolsonaro está seguindo a cartilha de Hugo Chávez, que um dia disse admirar. Controlar Congresso, aparelhar judiciário e cooptar polícias e baixo oficialato militar e formar milícias armadas. Se não for impedido caminhará para a implantação de um bolivarianismo de extrema direita. “Não se iludam: os bolsonaristas estão se preparando para o confronto violento nas ruas. Não é outra a razão para o crescimento do porte de armas, a liberação de fuzis e os agrados às polícias. Não vão se expor por pouco, mas se preparam para o confronto se forem derrotados em 22”, observou Hélio Doyle, no Twitter.

Nova constituição?

Preocupante é que a votação do Lira (302 deputados) chegou perto da maioria qualificada de 3/5 (308 deputados) necessária para fazer mudanças na Constituição. Esse é o maior risco que corremos. Bolsonaro não respeita a Constituição, não aceita a Constituição, pode querer mudar e viveremos então o que a Alemanha viveu. Não se brinca com fascistas. O povo deu poder para os seus algozes.

Pacheco rondoniense

O estado de Rondônia entrou para o alto clero com a eleição de Rodrigo Pacheco para a presidência do Senado. Pacheco é natural de Porto Velho e fez questão de citar no primeiro discurso como presidente do Senado. Com apenas 44 anos, o novo presidente teve uma carreira política de sucesso meteórica. Foi eleito em 2014 deputado federal e já em 2018, ao Senado. Segundo ele próprio, se espelhou no senador Marcos Rogério (DEM-RO), com quem aprendeu muito. MR também teve uma carreira meteórica. Foi eleito em 2010 deputado federal, reeleito em 2014 e, já em 2018, eleito senador da República.

Fabrício Jurado em alta

O ex-pré-candidato a prefeito de Porto Velho, Fabrício Jurado (DEM), está bem prestigiado na prefeitura de Porto Velho. Assumiu a Secretaria Geral de Governo, cargo semelhante ao de chefe da Casa Civil. Fabricio Grisi Médici Jurado é graduado em Direito pela Universidade Paulista. Foi presidente da Junta Administrativa de Recursos de Infrações do Detran – RO, assessor jurídico do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de Rondônia, assessor chefe do Jurídico da Sociedade de Portos e Hidrovias de RO, conselheiro estadual e presidente da Comissão de Orçamentos e Contas OAB/RO; membro da Comissão de Direito da Energia da OAB/RO, Conselheiro Federal e Membro da Comissão de Estudo da Reforma Política do Conselho Federal da OAB. Em 2019 formou-se pela RenovaBR a maior escola política do Brasil. FJ caminha célere para uma candidatura a deputado federal em 2022.

Eleições 2022

Fortíssimo. Com a eleição de Rodrigo Pacheco para a presidência do Senado, quem ficou bem na foto foi o senador Marcos Rogério (DEM-RO), virtual candidato ao governo de Rondônia. Ele deverá disputar com Hildon Chaves (PSDB) quem será o candidato do grupo político ao governo de Rondônia.

Expedito Júnior

Para o Senado Federal. O ex-senador Expedito Júnior (PSDB-RO), deve mesmo disputar a única vaga de senador em 2022.

PT perde vereador

Morreu o vereador de Ji-Paraná/RO, Éder Biazatti Marques, o Éder do Sindicato (PT), mais uma vítima da covid. Ele era agricultor, ganhou notoriedade como líder sindical e foi eleito como o 12° vereador mais votado de Ji-Paraná com  673 votos. Deve assumir a primeira suplente Vera Márcia, que obteve 384 votos. A ex-vereadora Claudia de Jesus (PT) também estava internada em Porto Velho, mas conseguiu se recuperar.

Guajará em Destak

O advogado Dr. Welison Nunes, de Nova Mamoré, concedeu entrevista ao programa Guajará em Destak, falando de previdência social, política e momento atual com a pandemia. Ele foi candidato a prefeito de Nova Mamoré e surge como nova liderança em Rondônia.

 

Por equipe do Mais Rondônia

 

Facebook Comments