Coluna do RK- Bastidores da política nacional e regional

0
1373


Por Roberto Kuppê (*)

Ibope é hoje!

Há uma grande possibilidade do candidato ao governo de Rondônia, Expedito Júnior (PSDB) sair na frente na primeira sondagem eleitoral do Ibope que será divulgada nas próximas horas pela emissora da Globo no Estado. É a tendência apontada ontem pelo IHPEC – Instituto Haverroth de Política Estatística e Comunicação, que deu a EJ vantagem de 12 pontos sobre o segundo colocado, Acir Gurgacz (PDT).

IHPEC

E quem vem a ser este instituto IHPEC? Tem credibilidade? Tem sim, porque é dirigido por Dejanir Haverroth, trainer em PNL, coach político e jornalista. E, é petista de carteirinha! Portanto, insuspeito ao colocar um tucano em primeiro lugar nas pesquisas.

 

Sandro Bergamin

Este é Sandro Bergamin (PP), candidato a deputado distrital no DF. Sandro é fundador da Brasília Estágios, empresa sediada na capital federal. Antes disso, foi assessor do ex-senador Ivo Cassol, do qual é primo. Ontem o jovem empresário e debutante candidato a distrital sofreu uma perda na família. O irmão dele, Aloísio, foi encontrado sem vida no Lago Paranoá. Da coluna, os sinceros pêsames.

Taís bonita

Esta é Taís Benita (PT), candidata a deputada estadual. Taís é engenheira e ativista pelos direitos das mulheres, bastante atuante no PT de Rondônia. Em 2010 foi convidada para fazer parte dos Sindicatos dos Engenheiros e retomar a militância, na qual foi Diretora do Coletivo de Mulheres, desenvolvendo um trabalho de luta pelos direitos das mulheres engenheiras, participando de discussões para a construção de um Brasil soberano e fortalecendo a construção do Senge Jovem/RO.

Campeão de votos

A coluna tem a firmeza em declarar que o jovem deputado federal Expedito Netto (PSD) vai fazer de 80 a 100 mil votos em 7 de outubro próximo. Explicação: ele é filho do candidato a governador cuja tendência é ir para o segundo turno. Poderá haver voto casado. Segundo, ele vai herdar parte dos votos de Marcos Rogério (DEM), que se candidatou ao Senado. Terceiro, nas pesquisas ele está entre os primeiro colocados e deverá desbancar Marinha Raupp (MDB) que vem caindo eleição a eleição. Nesta foto, EN com EJ em mais um evento político realizado ontem em Porto Velho.Não custa lembrar que ele foi o ÚNICO deputado de Rondônia que votou contra a malfadada reforma trabalhista que gerou milhões de novos desempregados.

Lula ou Haddad?

Quem será o próximo presidente da República? Lula ou Fernando “Andrade” Haddad? A coluna sente dizer, mas a direita (coxinhas, etc) deu um tremendo tiro nos pés de bazuca! Se tivessem deixado Dilma governar até o fim, com certeza ela estaria desgastada e Lula não seria candidato. Mas, o impeachment acordou a militância e Lula virou um gigante indomável. E não tem mais jeito. O PT vai ganhar pela quinta vez consecutiva as eleições: 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018. E o PSDB vai morrer abraçado com o MDB!

Quem é Andrade?

Andrade é como o povão está chamando Fernando Haddad, candidato à vice-presidente da República na chapa de Lula. Caso Lula seja impedido, “Andrade” assume como candidato à presidência, com Manuela D’àvila (PCdoB) de vice.

Fora, PRB!

Taí um partido que só reúne curva de rio, o PRB. De Crivella no Rio a Garçom em Rondônia, este partido só tem enrosco. Crivella é o prefeito que tornou a prefeitura um puxadinho da Igreja Universal.

Raupp quebrou o Beron, diz O Globo

Foto: Dorivan Marinho/AE

Os brasileiros passarão 54 anos pagando a conta das fraudes no Banco de Rondônia, realizadas por políticos e burocratas nomeados em Brasília. Na segunda-feira o Banco de Rondônia não abriu, por absoluta insolvência. Em pouco tempo, os fiscais federais comprovaram as suspeitas: políticos usaram a instituição pública para financiar suas campanhas. Privilegiaram amigos com empréstimos milionários. E eles jamais pagaram. Deixaram um rombo de R$ 370 milhões (valor atual). Pulverizaram mais de 90% do patrimônio da instituição na temporada eleitoral. Demorou até a eleição seguinte, em 1998, para o banco estadual de Rondônia ser liquidado. Então, se descobriu que a tragédia provocada pelos políticos locais fora convertida em catástrofe pelos interventores do Banco Central. Eles triplicaram os negócios desastrosos. Emprestaram R$ 1,4 bilhão (valor atual) sem garantias reais. Na miríade de estranhas transações deram R$ 6 milhões em crédito ao cidadão Xis da Questão. Era Aparecido Xis da Questão Lima, notório pelos vínculos com o senador Valdir Raupp, candidato à reeleição pelo MDB. Foi no governo Raupp que o Banco de Rondônia quebrou. Sobrou para a sociedade uma dívida bilionária. O governo de Rondônia assumiu a menor parte (cerca de R$ 500 milhões) para pagar em 240 prestações. Deu calote em metade. Lá se foram 24 anos e seis eleições. Quarta-feira passada o governo de Rondônia assinou um novo acordo, o sétimo. Agora, promete pagar R$ 11 milhões por mês até 2048. Se der certo, os brasileiros passarão 54 anos pagando a conta das fraudes num banco público realizadas por políticos e burocratas nomeados em Brasília. Até agora é uma história sem fim, com impunidade garantida. Fonte: O Globo

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

Facebook Comments