Por Roberto Kuppê (*)

                                            Com STF com tudo

Não pensem que o sistema (o mecanismo) vai deixar Lula ser candidato à presidência da República. Eles não vão deixar porque seria a ruína da direita que não vencia as eleições há décadas. A direita precisa se manter no poder, para esconder os podres dela. Criminalizar o PT foi a grande sacada deles, que deu certo. Embora a verdade esteja sendo revelada, dificilmente eles serão punidos e vão arrumar um jeito de manter Lula inelegível. Com a pandemia e a criminalização das manifestações da esquerda, não há protestos contra esse desgoverno. Mesmo com tudo caro (a inflação vem aí), maior déficit público, além das mais de 122 mil mortes, não há manifestações contra Bolsonaro que flana como se fosse o melhor presidente do Brasil. Com o STF, Congresso Nacional e parte da mídia apoiando este descalabro.

                                             Sintomático

Ex-aliado e hoje inimigo de Bolsonaro, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), foi afastado por 180 dias e dificilmente voltará. Amigo e sabujo de Bolsonaro, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos) teve o impeachment dele rejeitado pela maioria dos vereadores. Os dois não valem aquilo que o gato enterra, mas Crivella é amigo do presidente.

 

                                Impeachment de Bolsonaro

Da mesma forma, o impeachment de Bolsonaro jamais vai sair da gaveta, se depender do complicado e implicado presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia fez parte do golpe de 2016 que tirou Dilma da presidência e é um dos mais corruptos deste país, tendo recebido propina da OAS, JBS e Odebrecht. Além do mais ele tem medo da milícia bolsonarista que ameaça quem vai contra Bolsonaro.

                                     Eleições 2020

Varinha de condão - ISTOÉ DINHEIROAproxima-se a hora da onça beber água. Vários candidatos acham que podem administrar Porto Velho com uma varinha de condão. Muito complicada a situação da capital que requer um administrador que reúna capacidade e humanidade.O próximo prefeito de Porto Velho precisa ser mais do que um mágico. Precisa ser um técnico e um ser humano sensível às causas sociais como desemprego, falta de habitação e saúde. Acima disso tudo, a educação tem que ser priorizada.

Ramon, prefeito de Porto Velho

O pré-candidato, Ramon Cujuí (PT) diz porque quer ser prefeito de Porto Velho. A capital terá pelo menos uma dezena de candidatos fortes, mas Ramon é um dos mais preparados. Capacidade é o que conta. O próximo prefeito tem que priorizar a geração de emprego e renda, além da educação. O pós-pandemia será uma prova de fogo para o futuro prefeito.

Por que eu quero ser prefeito de Porto Velho?

Nosso pré-candidato Ramon Cujui Freitas responde essa pergunta e explica os motivos pelo qual aceitou a proposta coloetiva de ser o pré-candidato do Partido dos Trabalhadores para a Prefeitura nas eleições municipais de 2020. Acesse esse link: http://www.programadegovernopt.com.br/porto-velho e deixe sua proposta. Participe da construção do nosso plano de governo participativo pra Porto Velho.Aproveito para convidar vocês a para seguir nas redes:Ramon Cujuiwww.twitter.com/ramon_cujuiwww.instagram.com/ramoncujuiwww.tiktok.com/@ramon_cujuiwww.youtube.com/ramoncujui#PortoVelho #Rondonia #RamonCujui

Publicado por Ramon Cujui em Quinta-feira, 3 de setembro de 2020

 

Vinícius Miguel, o fenômeno

Como diria o articulista Robson Oliveira, “é pule de 10” que o pré-candidato a prefeito de Porto Velho, Vinícius Miguel (Cidadania), que completou 35 anos ontem, vai para o segundo turno. O nome dele é um dos mais citados nas rodas de conversa. Com mais de 70 mil votos conquistados na capital nas eleições para governador de Rondônia em 2018, VM é sem dúvida um fenômeno. E, por ser um dos favoritos, vai sofrer perseguição da milícia bolsonarista. E nós vamos estar aqui para defendê-lo.

                                                      Terremoto

Não é bíblico, não é castigo, é ciência. Segundo cientistas, vem aí no planeta Terra, sobretudo na América Latina, uma série de terremotos que vai redundar em tsunamis, matando milhares de pessoas. É a reação da natureza contra a poluição, o desmatamento e queimada da Amazônia, além de outros fatores. Estudos garantem que o litoral brasileiro será o mais afetado.

Terremoto 2

Todo cuidado no Chile, nas regiões sul e sudeste do Brasil. Serão afetados nosso sistema e rede de abastecimento de energia elétrica, no que tange à Itaipu Binacional, por causa destes sismos, e também podem afetar as estradas. Ao mesmo tempo a costa brasileira com ondas de ressaca acima de 3 metros, mini tsunamis, fortes rajadas de ventos no nordeste, chuvas, frio e tornados no sul com mais dois ciclones extra tropicais, além deste que vem agora. A nova temporada vai de 15 de setembro à 27 e depois uma pequena calmaria, e no meio mais sismos. Portanto, fujam para as montanhas.

                                         Terremoto 3

Pela primeira vez na América do Sul e em todo o Hemisfério Sul, foram detectadas evidências de uma libertação maciça de gás metano no fundo marinho. A descoberta, realizada perto das costas do Brasil e publicada recentemente na revista Nature, indica que se trata de um fenômeno à escala global relacionado com as alterações climáticas e que complica ainda mais esse problema. Os pesquisadores da Universidade Linneo coletaram nos sedimentos do Atlântico Sul amostras de hidratos de gás, uma substância semelhante ao gelo formada por água e metano a profundezas de várias centenas de metros no fundo dos nossos oceanos em alta pressão e baixas temperaturas. O metano é um poderoso gás com efeito de estufa, aproximadamente 25 vezes mais potente do que o dióxido de carbono, e estima-se que o metano congelado nesses sedimentos constitui o maior depósito de carbono orgânico da Terra. O fato de o gás metano ter começado a filtrar através da dissolução de hidratos de gás não é uma boa notícia para o clima.

                                               Terremoto 4

Por que a Coluna do RK está publicando isso, para assustar?  Não! Para que todos se preparem para enfrentar fenômenos da natureza que não tem nada a ver como o “fim dos tempos”. Preparar reforçando a segurança de suas casas, estocando alimentos e, se possível, se afastar do litoral. Como no caso da pandemia ora em curso, o brasileiro tem que adquirir a cultura da segurança como ocorre em países cujos fenômenos são constantes como Estados Unidos, Japão, Indonésia, etc.

                                   Novo idoso na praça

A partir de hoje este colunista passa a frequentar as fila para idosos, ao completar 60 anos, dos quais 40 dedicado às escritas. Entrou na era do Condor. Com dor aqui, com dor ali.  Oficialmente este colunista escreve para jornais desde 1982 quando colaborou para o Alto Madeira e O Guaporé, ambos extintos. Fundou a revista quinzenal Daily People e depois foi trabalhar em O Estadão do Norte, em Porto Velho e na Tribuna do Brasil, em Brasília. Este ano de 2020 marcará a aposentadoria no jornalismo, passando a se dedicar às causas sociais na presidência do Instituto Rondon.

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

Facebook Comments