Por Roberto Kuppê (*)

Quase impitimado

Felizmente nossa torcida era contra o vírus e a favor do Brasil. Porque se estivéssemos torcendo pelo impeachment de Bolsonaro, o melhor dos cenários seria a demissão do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM). Porque, se Bolsonaro cumprisse sua insanidade, Rodrigo Maia (DEM) já estava com o pedido de impeachment de Bolsonaro na mesa. Mandetta salvou Bolsonaro, quem diria.  Mandetta manteve Bolsonaro no cargo. E venceu a ciência. Obs: a foto ilustrativa é meme da internet, viu?

Cloroquina e sertanejo

Um dos motivos da demissão frustrada de Mandetta, foi porque ele se recusou a assinar um decreto para permitir que profissionais da saúde e pacientes com Covid-19 em estado grave possam usar a hidroxicloroquina. O segundo motivo, o mais “sério”, é porque ele foi visto numa live de uma dupla sertaneja famosa, o que irritou o pequeno Bolsonaro. Em homenagem, na voz do Tiririca, aí vai a música da semana: “Cloroquina, cloroquina. Cloroquina tem no SUS. Não sei se funciona…”.

Rainha da Inglaterra

Diz-se que, quando um governante não manda em nada, é chamado de Rainha da Inglaterra. No nosso caso, a nossa “rainha” não manda mais nem na própria casa. Tem três filhos barulhentos que só fazem aquilo que o gato enterra. Sem poder demitir ninguém, Bolsonaro deverá passar o dia no Twitter dizendo não sei o quê.

Mariana Carvalho

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, recebeu na tarde desta segunda-feira (6) a visita de parlamentares que compõem a Comissão Externa da Câmara responsável pela apresentação de propostas no Enfrentamento ao novo Coronavírus. Entre eles, a deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO). 

Mandetta 2022

Qualquer cego enxerga que Mandetta saiu gigante deste episódio da quase demissão, e, o presidente Bolsonaro, um anão. Mandetta é um nome certo para compor eventual chapa do DEM para a presidência da República em 2022. Um nome que a esquerda deverá se preocupar, doravante. Como médico, um excelente profissional. Mas, como político, cometeu a injustiça de apoiar o impeachment de Dilma.

Processos contra Bolsonaro

Os discursos do presidente Jair Bolsonaro, que vão na contramão das recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e do nosso Ministério da Saúde, contra o isolamento social no combate à pandemia de coronavírus, tanto em cadeia nacional quanto em suas redes sociais e outros meios, acabam de render ao presidente uma ação do MPF (Ministério Público Federal) na Justiça Federal de Belém do Pará. “A União, por meio de seu representante máximo, o presidente da República, não pode expor a risco o direito à saúde das pessoas, expor toda a sociedade a risco, recomendando a retomada das atividades cotidianas, a reabertura dos comércios, etc, diante da pandeia da covid-19, contrariando todas as evidências científicas que apontam em sentido contrário“, diz o texto do documento.

Quarentena no parque

Manter Mandetta no cargo foi molezinha. Quero ver manter o brasileiro em casa, em isolamento social. Difícil, quase impossível. Em Rondônia, o isolamento quase não existe. Muitas pessoas nas ruas, em afazeres diversos. Ainda é necessário sim, manter o isolamento. Cabe ao governo de Rondônia cobrar do governo federal a ajuda necessária para que a população do Estado possa sobreviver durante esta epidemia. A fome já está batendo à porta da parcela mais pobre.

Valdemiro Santiago

O auto intitulado apóstolo, Valdemiro Santiago, está anunciando cura do coronavírus nos seus cultos pela televisão. Ontem, este colunista ouviu dele: “O cara foi curado pelo coronavírus e nem sabe. Vai lá no hospital fazer o teste…”, disse, se referindo a alguém que ele sugere ter curado. O cara de pau não tem limite.

Médicos Sem Fronteiras

Entidade seríssima, a organização internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) iniciou as atividades de combate à COVID-19 no Brasil. O trabalho começou na cidade de São Paulo, focado em pessoas em situação de rua, migrantes e refugiados, usuários de drogas, idosos e pessoas privadas de liberdade. Esses grupos, que já se encontravam em estado de grande vulnerabilidade mesmo antes da chegada da pandemia, enfrentam agora uma situação ainda mais grave. A perspectiva é de que o aumento excepcional da demanda geral sobre serviços de saúde intensifique ainda mais as dificuldades de acesso a cuidados de saúde por parte dessa parcela da população. As condições de vida precárias enfrentadas por essas pessoas também dificultam a adoção de medidas de distanciamento social, essenciais para conter o avanço da doença e diminuir sua mortalidade.

Médicos Sem Fronteiras 2

As atividades em São Paulo estão sendo realizadas em parceria com outras organizações e com as autoridades locais que já atuam com grupos em situação de vulnerabilidade, foco da ação de MSF. O trabalho contempla a realização de consultas médicas em pessoas em situação de rua para detecção de casos suspeitos de COVID-19 e triagem com encaminhamento dos doentes em estado grave para hospitais. Nos primeiros dias de trabalho, iniciado na semana passada, foram atendidos 278 pacientes em atividades realizadas na rua, em abrigos e em um centro de atendimento de migrantes. Do total de atendimentos, 37 pacientes apresentaram sintomas suspeitos de COVID-19 e três destes casos, com sinais de gravidade, tiveram de ser encaminhados para hospitalização.

Médicos Sem Fronteiras 3

Paralelamente à atuação em São Paulo, MSF está se preparando para iniciar atividades relacionadas à pandemia de COVID-19 no Rio de janeiro, também com foco na população mais vulnerável. E em Boa Vista, capital do Estado de Roraima, estamos adaptando as ações de nosso projeto para colaborar com os esforços de combate à doença. Estamos presentes na cidade desde o final de 2018 com ações de reforço ao sistema de saúde local em função do aumento da presença de migrantes e refugiados venezuelanos na cidade. Um dos focos da atuação de MSF deve ser a assistência à população de migrantes e refugiados que vive em abrigos informais, com condições de higiene precárias e em espaços que impossibilitam ações de isolamento em caso de contaminação pelo novo coronavírus.

Quem é quem na pandemia

Vale destacar a atuação firme do deputado estadual Jair Montes (Avante-RO), na luta contra o coronavírus. Ele é presença constante nas redes sociais alertando, orientando e pedindo ao governador de Rondônia, Marcos Rocha (Patriotas), providências. Outro incansável é o advogado do povo, Breno Mendes (Avante-RO), que esqueceu um pouco da política e saiu em campo para esclarecer a população.

 

Os “feitos” de Bolsonaro

01. Subiu o salário mínimo de R1.198,00 para R$ 1.045,00;
02. Abaixou o preço da gasolina de R$ 2,80 para R$ 4,98;
03. Abaixou o GLP de R$ 45,00 para R$ 80,00;
04. Prestigiou os patrões com a retirada dos direitos trabalhistas dos empregados;
05. Prestigiou os trabalhadores dando a oportunidade de trabalhar 40 anos para se aposentar;
06. Prestigiou os miseráveis na reforma da previdência passando o valor assistencial de um salário mínimo para R$ 400,00;
07. Prestigiou os trabalhadores à negociar o seu salário com o empresário e trabalhar aos sábados e domingos, sem direito a descanso semanal, vale transporte, vale alimentação, férias e 13° salário;
08. Diminuiu a mamata dos militares, magistrados, procuradores e políticos com um aumento substancial de 41% nos vencimentos;
09. Tirou a mamata dos banqueiros repassando de crise em crise bilhões e trilhões de reais do tesouro;
10. Defende o trabalhador jogando-o à própria sorte na ‘guerra contra a Covid-19’ para7 que o patrão não fique sem os lucros.
11- Protegeu a sua família, sumindo com o Queiroz e o miliciano Adriano.
12- Ajudou a agricultura brasileira, popularizando o laranjal, a goiabeira e a bananinha.
13- Conseguiu reduzir o valor do dólar de 2,50 para 5,50.
14- Nomeou ministros altamente preparados, inteligentes e lúcidos como Ricardo Salles, Weintraub, Damares e Ernesto Araújo.
15- Aumentou o prestígio internacional do Brasil, que virou piada nos principais jornais do mundo.
16- Montou um eficiente Ministério da Justiça que até agora descobriu: onde está o Queiroz, quem mandou matar Marielle, quem lançou petróleo no mar, o conteúdo dos celulares do miliciano Adriano, a origem dos 7 apartamentos de luxo do filho zero um, quem financiou as fakes news que ajudaram eleger o “Minto”,…
17- Popularizou o termo “Golden Shower”

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

Facebook Comments