Por Roberto Kuppê (*)

                                  Passadores de recibo

Resultado de imagem para e o pt? mimimiIndefensável, bolsonaristas não cansam de passar recibo. Não conseguem defender Bolsonaro sem citar o PT, sem citar Lula ou Dilma. Em vez de afirmarem com todas as letras como este colunista o faz com Lula, que Bolsonaro é inocente, honesto e capacitado para governar o País, eles atacam o PT. É tipo um pai de duas crianças travessas, Tiago e André. O pai pergunta ao Tiago: “por que você mexeu na minha carteira?”.  Em vez de negar ele ataca: “O André também pegou”. As respostas de todos os bolsominions são iguais e orquestradas. Não diferem de norte a sul, leste a oeste. Do Oiapoque ao Chuí, “E o PT?” é uma constante.

                                   Enrolados e encalacrados

E por falar em passar recibo, mais uma vez, Jair Bolsonaro e seu filho Carlos admitiram o crime de obstrução de Justiça nas investigações do assassinato de Marielle Franco em tweets no início da manhã desta terça-feira (5). Antes das 7h, eles já haviam confessado mais uma vez que tiveram acesso a gravações da portaria do condomínio onde moram depois de elas terem se tornado em peças de uma investigação policial. E partiram para o ataque ao PT. Os tweets foram claramente coordenados, com redações quase idênticas. O alvo da agressão do clã foram a presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), e os líderes do partido na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), e no Senado, Humberto Costa (PE). Deve-se ao fato de os três, em nome do PT, terem ingressado nesta segunda-feira (4) no STF com ação solicitando que sejam determinadas busca e apreensão de todo o material apropriado de forma ilegal por Bolsonaro e seu filho, com a realização de perícia para que sejam verificadas eventuais alterações nas provas (aqui).

                                       Umas perguntinhas

Se Bolsonaro nada tem a ver com a morte de Marielle, por que ele se meteu no imbróglio? Por que ele pediu intervenção de Moro num crime estadual, ocorrido no Rio de Janeiro? Como se diz no jargão popular, “aí tem”. Ele deve estar protegendo alguém muito forte ou ligado à família dele.

El Condor pasa

A valentia dos supermercados da Rede Condor durou menos de 24 horas e a empresa bolsonarista voltou atrás do boicote à propaganda na Rede Globo. Em nota divulgada na noite desta segunda-feira (4), a empresa que havia trombeteado o cancelamento da publicidade na TV Globo agora jura que só boicotará o “reclame” na programação nacional dos Marinho. A “afrouxada de tanga” do proprietário Joanir Zonta se deu após o presidente estadual do PT do Paraná, deputado Arilson Chiorato, acusar a rede de praticar injúria racial e de prometer levar o supermercado à Justiça. Durante o último fim de semana, para agradar ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), o Grupo Condor afirmara em nota que estava suspendendo todos os contratos de propaganda com a Globo e se referia como “era negra” os governos petistas de Lula e Dilma Rousseff. Nota da coluna: quer queiramos ou não, a Globo ainda é a rede mais importante do Brasil. Supermercado que boicotar a Globo corre o risco de cair o movimento. Porque propaganda ainda é a alma do negócio. E, para quem é varejista, a TV é ainda o melhor meio de propagação de suas ofertas. Plim Plim.

                                 Globo X Bolsonaro

Em editorial publicado nesta terça-feira, o jornal O Globo afirma ter descoberto que Jair Bolsonaro é um projeto de ditador. “Não há sociedade que caminhe para o bem-estar sem informação de qualidade, e quem a provê com método são os jornalistas. No Grupo Globo são os jornalistas de todas as redações, de todos os veículos que o compõem”, aponta o texto. “Chamá-los de patifes, canalhas e porcos não diz nada deles, mas muito dos valores de quem profere insultos tão indignos. É preciso repudiar tal atitude do presidente da forma mais veemente possível e denunciá-la como a de um homem que, hoje não se tem mais ilusões, não comunga dos valores democráticos mais básicos. Não se esperem, contudo, reações no mesmo nível. Espere-se mais jornalismo. Espere-se a busca pela verdade, de forma destemida, que retrate os fatos como eles são, positivos ou negativos, inclusive sobre o governo. E que denuncie qualquer tentativa de cercear as liberdades de nossa democracia”, diz ainda o editorialista.

                                     Fora Bolsonaro

Informações divulgadas nesta terça-feira (5) pela coluna Painel da Folha de S.Paulo destacam que as últimas declarações de Bolsonaro, de que deverá mesmo deixar o PSL e migrar para uma sigla nova, irritaram dirigentes do partido que ainda tentavam uma composição. Essa irritação levou a chamada ala do “deixa disso” a defender a expulsão de Bolsonaro.  A proposta de expulsão será levada ao presidente do partido, o deputado pernambucano Luciano Bivar. Essa ala do PSL vai cobrar uma posição de Bivar, apontando a ele o risco de perda de apoio.

                                                   Ciro Gomes

O ex-ministro da Integração de Lula, Ciro Gomes (PDT), está ultimamente flertando com a direita, na intenção de cooptar eleitores de Bolsonaro descontentes. Para atingir a esse objetivo, Ciro está aderindo ao antipetismo, massacrando Lula. Para Ciro, Lula é corrupto, ladrão e malfeitor. Ciro não bate de frente com Bolsonaro. Muito pelo contrário, aqui e ali, elogia. Essa estratégia de Ciro o afasta em definitivo da esquerda. Perguntado pela coluna, alguns pedetistas afirmaram que não concordam com Ciro Gomes: “ele fala por si”.

                               Ciro Gomes 2

Mas, nem sempre Ciro criticou Lula. Por ocasião da prisão de Lula, ele publicou: “Estou acompanhando com muita tristeza tudo que está acontecendo com o ex-presidente e meu amigo Luiz Inácio Lula da Silva. Por mim, e por muitos brasileiros, especialmente os mais pobres, por quem ele tanto fez. Espero que os próximos recursos possam prontamente quanto possível estabelecer sua liberdade. Parte importante do país na qual me incluo, não consegue ver justiça, muito menos equilíbrio em um providência tão amarga, enquanto remanescem intocados notórios corruptos do PSDB”.

                                                 The Flash

Antes de assistir The Flash na Netflix na noite desta segunda-feira, o governador de RO, Marcos Rocha (PSL) escreveu um longo texto no Facebook para rebater noticias e acusar jornalistas de achaque. MR disse que o Projeto de Lei (PL) que proíbe a Energisa de cortar o fornecimento de energia elétrica sem a notificação com 15 dias de antecedência, “sequer saiu da Assembleia Legislativa para que o Governo tome conhecimento completo da matéria e possa emitir uma análise”. Aproveitou para acrescentar: “eu disse que não podia fazer nada por meio do Estado como instituição. E isso é óbvio, pois houve um processo licitatório. Sim, o leilão é uma modalidade de licitação, para quem se diz entendedor. Muitas pessoas batem no governo para conseguirem algo em troca, como por exemplo, CDS’s. Hoje o trabalho que está sendo feito com o objetivo de trazer resultado para população, tem sido desenvolvido por meio de ações políticas e estratégicas”, disse. Em seguida, Marcos Rocha faz acusações contra a imprensa local: “Nas últimas semanas fui procurado por algumas páginas que se ofereceram para falarem bem de mim. Prontamente, recusei. Como faço desde o ano passado, em relação aos que exigiam cargos comissionados em troca de apoios de blogs/jornalecos/páginas do Facebook. Considero a ideia de ceder a essas chantagens como algo muito maléfico para o Estado”. Durante a campanha MR disse que foi procurado certe vez por um grupo que lhe ofereceu propina de R$ 1 milhão, mas ele não denunciou porque estava com pé quebrado. Será que ele continua com o pé quebrado para denunciar estes supostos achaques de setores da imprensa? MR, acabou a campanha eleitoral”. Cadê a geração de empregos, a segurança e a saúde?

                                          Amigo da onça

O empresário vilhenense Jaime Bagattoli, companheiro de primeira hora do governador Marcos Rocha, foi expulso do PSL.  “Depois de tudo que fiz pelo partido e de ter sido o principal responsável pela eleição de Marcos Rocha ao governo, fui ‘premiado’ com um processo de expulsão do partido”, afirmou o vilhenense, que foi um fenômeno político nas eleições passadas, conquistando mais de 212 mil votos na disputa ao Senado. Ainda no primeiro turno, Bagattoli e Marcos Rocha se desentenderam feio, ameaçando abandonar o barco. Mas, MR correu atrás e simulou uma abraço de amigo. Amigo da onça. Ao ser eleito, o governador não quis receber Jaime Bagattoli.

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político no eixo Rio-Brasília e Rondônia

Facebook Comments