Coluna do RK- Bastidores da Política Nacional e Regional




Por Roberto Kuppê (*)

Reforma da Previdência

Nem sempre a maioria é quem vence. A coluna parabeniza àqueles que corajosa e justamente votaram contra a reforma da Previdência. Uma reforma que agrada e favorece apenas ao mercado e a quem dele vive como especuladores e investidores. Nesse momento eles estão investindo na Bolsa de Valores e comprando dólares. E o povo preparando o couro porque se já estava ruim, vai piorar. Não virão os propagados 6 milhões de empregos prometidos, como não vieram quando aprovaram a reforma trabalhista. Os partidos de esquerda, como sempre, saíram em socorro do povo. Mas, quem manda agora é o mercado, os ruralistas e os evangélicos. Claro que ainda faltam mais votações para chegar ao cadafalso, mas a aprovação são favas contadas.

Tábata

O PDT ameaçou botar para fora a deputada federal Tábata (PDT-SP), como já o fizera com parlamentares que votaram a favor da reforma Trabalhista. Pois ela confirmou o voto a favor da reforma Previdenciária. Na verdade, Tábata está no PDT por conveniência. Ela é cria de um programa de incentivo a jovens políticos ligados a João Dória e Luciano Huck, de onde procriaram dezenas de eleitos em 2018, que estão no Novo e votaram a favor da maldita reforma. E o Novo é o destino de Tábata.

Toma lá dá cá

Bolsonaro se utilizou da velha política para ajudar na aprovação em primeiro turno do texto base da reforma da Previdência. Tudo que ele se dizia contra, utilizou de forma terrível e avassaladora. E foi além, prometendo indicar um ministro terrivelmente evangélico para o STF. Fazendo um adendo, este ministro evangélico deverá abandonar a Constituição Federal e votar de acordo com a Bíblia.

Sem chance

Um amigo sondou a este colunista, acerca de um apoio de um parlamentar (não é de Rondônia), para o INSTITUTO RONDON. Às vésperas da aprovação da reforma da Previdência, e aproveitando o toma lá dá cá, o parlamentar queria destinar uma emenda de R$ 1 milhão para o IR. Mas, queria uma contrapartida de 15%. A resposta foi imediata: “Poxa. Mas isso não funciona comigo. Complicado“. E “Não me vejo fazendo isso”, disse este colunista ao interlocutor. Lembrando que em 2008, duas senhoras ofereceram R$ 10 milhões para o então Instituto Matheus Moraes, em troca de R$ 200 mil reais à vista e adiantado. Como falou o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), durante a campanha, “em três minutos de conversa eu enxergo se o cara é bandido ou não”. Obs: por princípios, não citaremos nomes e o interlocutor apenas quis ajudar. E depois dessa publicação, adeus qualquer chance de receber recursos via emendas parlamentares…

A morte de PHA

Imagem relacionadaA coluna sentiu muito a morte do jornalista e ex-âncora do Domingo Espetacular (Record), Paulo Henrique Amorim, uma das vozes mais aguerridas da esquerda brasileira. Não se sabe ainda as causas reais da morte dele, mas a coluna garante que a demissão dele da Record contribuiu para um quadro de uma possível depressão. Em tempos estranhos que estamos vivendo, não é difícil que métodos utilizados pela Gestapo (polícia secreta da alemanha nazista) tenham sido empregados para abreviação da vida de PHA neste mundo. O fato é que nunca mais ouviremos ao vivo aquela famosa frase, que anunciava o começo de um programa pilotado por PHA: “Olá, tudo bem?”.

Bancada de Rondônia

A maioria da bancada federal de Rondônia votou a favor da reforma da Previdência. Votaram a favor os que não se tinha dúvida: Chrisóstomo (PSL), Jaqueline Cassol (PR), Lúcio Mosquini (MDB) e Mariana Carvalho (PSDB). Mas, votaram a favor também os deputados Sílvia Cristina (PDT) e Léo Moraes (Podemos), causando furor entre seus eleitores. E, finalmente, cumprindo o que prometeram, votaram contra Expedito Netto (PSD) e Mauro Nazif (PSB). 

 

Governo Bolsonaro

Difícil uma reforma proposta pelo governo Bolsonaro ser boa para o povo pobre e sofrido desse Brasil. Todas as propostas apresentadas até agora por este governo são retrocessos e em nada ajudam na criação de empregos. Muito pelo contrário. O Brasil está próximo de uma catástrofe social, de uma histeria por comida. É, por comida. Milhões de desempregados precisam comer, além de ter um teto para morar. Milhares estão sendo despejados de seus lares por aluguéis não pagos. Estão nas ruas desesperados. Alguns partindo para a criminalidade. Sem outra alternativa, o jeito será roubar para poder comer um pedaço de pão. Aí a criminalidade aumenta. E o que fará o governo, em seguida? Armará as polícias e autorizará o abate destes “criminosos” e nadas lhes acontecerá. Aí vem um bolsominion e pergunta: “E o PT?”. Nos governos petistas tinha Minha Casa Minha Vida para todos. Tinha Mais Médicos para todos. Tinha salário mínimo decente. Tinha mais empregos e as pessoas consumiam mais. Veja o gráfico abaixo (fonte IBGE) que mostra o índice de desemprego durante os governos de Lula e o primeiro mandato de Dilma:

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político no eixo Rio-Brasília e Rondônia

Facebook Comments