Campanha brasileira contra grilagem de terras públicas na Amazônia integra iniciativa mundial de preparação para a COP 26

Faltando menos de 40 dias para a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021, a COP 26, a campanha Seja Legal com a Amazônia, projeto que une entidades do setor privado, do agronegócio e do terceiro setor no combate à grilagem de terras públicas na região, se juntou a um grupo diversificado de organizações ao redor de todo o mundo para pensar ações climáticas que são caminhos na direção de uma resposta efetiva à crise climática global. Essa é a iniciativa 50climatesolutions.org, liderada pela organização inglesa Global Health Strategies.
A proposta é que, a cada dia de contagem regressiva para a COP 26, uma organização apresente uma solução/ação possível de ser financiada e implementada por tomadores de decisão para ajudar a barrar a crise climática, que é hoje a maior ameaça à humanidade.

As soluções perpassam os temas de energia, igualdade de gênero, redução de emissões, sistemas alimentares, saúde, entre outros. Todas as ideias de ações climáticas são compartilhadas no site 50climatesolutions.org e nas redes sociais com as hashtags #ClimateAction e #COP26.

A campanha Seja Legal com a Amazônia, representante do Brasil na iniciativa, destacou soluções desde a última sexta-feira (24/09), dentro do tema de conservação de ecossistemas. O foco principal foi apresentar formas de manter em pé da maior floresta tropical do mundo, que hoje é alvo da ação de criminosos conhecidos como grileiros, que invadem, roubam e destroem o meio ambiente. Manter a floresta em pé é também garantir desenvolvimento socioeconômico para o país.

A Amazônia representa um terço das florestas tropicais do mundo e concentra de 10% a 20% da diversidade vegetal do planeta. Ela é também responsável por capturar significativa parte dos gases de efeito estufa que são lançados diariamente na atmosfera. Conservar a floresta é uma das maneiras mais poderosas de manter o clima do planeta equilibrado.

Dados do IPAM mostram que, em 2019 e 2020, 50% de tudo que foi desmatado na região aconteceu nessas áreas que são patrimônio público. A grilagem é, portanto, o principal vetor do desmatamento ilegal e a causa principal da violência, corrupção e do atraso econômico na Amazônia.

Diversos atores, hoje, desenvolvem ações contra o crime de grilagem de terras públicas e que garantem a conservação da floresta, mas ainda há muito a ser feito. Com maior apoio eles podem ter ainda mais resultados positivos para o meio ambiente.

A Seja Legal com a Amazônia mostrou alguns desses movimentos para o mundo na 50climatesolutions.org. Além dela, também participam da iniciativa organizações como YOUNGO, Columbia University, Rockefeller Foundation, entre outras.

A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas vai acontecer entre os dias 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, em Glasgow, na Escócia. Líderes de 196 países vão se reunir na conferência para negociar ações para limitar as mudanças climáticas e reduzir o impacto da atividade humana no planeta.

Saiba mais sobre como ajudar na defesa da Amazônia:

https://sejalegalcomaamazonia.org.br/
Facebook Comments