Bolsonaro no PP colocará Ivo Cassol, Marcos Rocha e até Marcos Rogério no mesmo palanque

PORTO VELHO- No caso do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), optar pelo Partido Progressistas (PP), cuja filiação estaria em curso, poderá causar um tsunami na sucessão estadual em Rondônia. É que o Progressistas em Rondônia é presidido por Dirlaine Cassol, irmã do ex-senador e potencial candidato ao governo, Ivo Cassol. Ocorre que o governador Marcos Rocha (sem partido) só está esperando o presidente Bolsonaro se filiar a um partido para também assinar ficha.

E se Bolsonaro se filiar ao PP, o governador de Rondônia dificilmente se filiará no mesmo partido em Rondônia, pelas circunstâncias políticas regionais.

A quantas andam essa possibilidade? Há nos bastidores articulações de uma possível fusão entre PSL, DEM e PP. O novo partido seria o maior do Congresso com 121 deputados e 15 senadores. Bolsonaro evitou falar com quais partidos tem conversado para uma possível filiação. “Os que eu falei no passado vazou, alguém vai lá e mela esse acordo”, disse. A nomeação de Ciro Nogueira como ministro da Casa Civil reforçou a possibilidade de Bolsonaro ir para o PP.

Caso essa fusão se concretize (PSL+DEM+PP), aumentará mais ainda a confusão em Rondônia, pois o senador Marcos Rogério (DEM-RO) também almeja disputar o governo.

Mais Rondônia com informações do Poder 360

Facebook Comments