PORTO VELHO-O ministro Luís Roberto Barroso (STF) assume a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta segunda-feira, e afirma: quem vai bater o martelo sobre a realização das eleições municipais em 2020 serão os sanitaristas.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, Barroso diz que a decisão a respeito do tema deve ser tomada no final da primeira quinzena de junho, em conjunto com o Congresso – mas ele não cogita adiar as eleições em um primeiro momento, e nem coloca a prorrogação dos mandatos atuais em debate.

“A prorrogação de mandato é antidemocrática em si, porque os prefeitos e vereadores que lá estão, foram eleitos por um período de quatro anos. Faz parte do rito da democracia a realização de eleições periódicas e o eleitor ter a possibilidade de reconduzir ou não seus candidatos”, diz, ressaltando que uma eventual prorrogação de mandatos não encontra respaldo na Constituição, mas que poderia ser excepcionalmente autorizada por meio de emenda aprovada pelo Congresso.

Barroso também será responsável pela apreciação dos processos contra o presidente Jair Bolsonaro que estejam em andamento na Corte Eleitoral – e avisa que irá seguir “a ordem cronológica”. Ou seja, o que estiver pronto para ir a julgamento será pautado.

                                                         Enquete

O Mais RO  está com uma enquete em curso sobre um possível adiamento das eleições de 2020. “Devido ao coronavirus, você é contra ou a favor de cancelar e adiar as eleições para 2022, estendendo os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores?”. 710 internautas votaram até agora. 53% (378 votos) disseram que são contra adiar as eleições. Que a pandemia vai passar logo. 47% (355 votos) disseram que são a favor de adiar as eleições. 

Mais RO com Jornal GGN

Facebook Comments