sexta-feira, maio 27, 2022
InícioPolíticaBancada federal de Rondônia será cobrada se corrupção não acabar no Brasil

Bancada federal de Rondônia será cobrada se corrupção não acabar no Brasil

bancadaroPelo que se está desenhando, o Brasil viverá nos próximos dois anos a pior era da corrupção de sua história. O PSDB, responsável pela maior corrupção da história do Brasil e a até hoje impunes, vai pegar metade do governo Temer. Com o STF conivente, o Brasil desta vez vai para o buraco.

A bancada federal de Rondônia votou em peso no golpe e será responsabilizada no futuro pela corrupção que será alastrada em todo o País.

Em entrevista ao jornalista Gerson Camarotti, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) admitiu a possibilidade de nomear investigados na Operação Lava Jato para compor o seu eventual governo.

São cotados para compor a equipe do peemedebista o senador Romero Jucá e o ex-deputado federal Henrique Eduardo Alves, ambos do PMDB, que são investigados pelo Supremo Tribunal Federal. Geddel Vieira Lima, também do PMDB e cotado para a Secretaria de Governo, já foi citado em delações.

“Num plano mais geral, o que eu posso dizer é que a investigação ainda é o que é, uma investigação. Então, não sei se isto é um fator impeditivo de uma eventual nomeação”, afirmou.

Sobre a possibilidade do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), assumir a Presidência, Temer desconversou: “Isso eu só avaliarei se eu vier a assumir o governo”.

Na entrevista, exibida pelo Jornal Nacional, Temer também falou sobre a economia e o programa do PSDB.

“Na eventualidade de eu vir a assumir – até porque eu estou aguardando com todo respeito a decisão do Senado –, é claro que eu esperarei produzir algo produtivo para o país. Evidentemente que hoje o tema central é o tema da economia. Nesse, em particular, eu estou examinando, estudando a matéria, tendo a colaboração de justos economistas, entre os quais a figura de Henrique Meirelles. E pretendo no início apresentar algo que seja palatável para o país, seja útil para o país, gerando talvez expectativa”, afirmou.

Sobre as 15 propostas do PSDB, ele afirmou que está de acordo com os pontos apresentados. “Quero ressaltar que um dos aspectos fundamentais desse documento é exatamente a questão do parlamentarismo. E eu não tenho objeção a isso não. Se for o caso, nós temos que empreender uma grande reforma política, para então adotarmos o sistema parlamentarista. Eu não tenho nenhuma objeção em relação a isso. O que eles propõem é que a partir de 2018 se possa adotar a tese do parlamentarismo”, disse.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments