O joio (à esquerda) e o trigo (à direita) estarão bem definidos e separados na colheita eleitoral de 2018.

Por José Armando BUENO (*)

MATEUS 13:24-30  |  Jesus lhes propôs uma parábola: o reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo. Mas enquanto os homens dormiam, veio um inimigo dele, semeou joio no meio do trigo e retirou-se. Porém, quando a erva cresceu e deu fruto, então apareceu também o joio. Chegando os servos do dono do campo, disseram-lhe: ‘Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Pois donde vem o joio?’ Respondeu-lhes: ‘Homem inimigo é quem fez isso.’ Os servos continuaram: ‘Queres, então, que vamos arrancá-lo?’ ‘Não’, respondeu ele, ‘para que não suceda que, tirando o joio, arranqueis juntamente com ele também o trigo. Deixai crescer ambos juntos até a ceifa; e no tempo da ceifa direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar, mas recolhei o trigo no meu celeiro.”

O JOIO  |  O joio é uma erva tóxica, a essência do mal. Nestas eleições ele vem de semeaduras remotas. Espalhou-se feito praga do Egito. Infiltrou-se em todas as estruturas de poder. Encastelou-se. É dominante em todos os campos e culturas, ainda que não tenha conseguido ocupar todos os espaços do trigo. Os campos originalmente sempre foram semeados com trigo, e enquanto descansávamos, o mal trabalhava semeando o joio. Entretanto, tudo será ajustado na ceifa cruel que vem nestas eleições de 2018, que eu denomino Outubro Negro. A praga do joio, dominante, exposta, evidente e pútrida, não suporta a si mesma em sua explosão maligna, como comprovou o golpe das escutas e da traição palaciana. E o eleitor ceifador, sofrido, oprimido e faminto, seguirá as palavras divinas: “ajuntai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar, mas recolhei o trigo no meu celeiro.” E assim será feito. Já está sendo feito. Os grupos, partidos e blocos políticos do mal atraem-se mutuamente. É só prestar atenção como unem-se PMDB, PP, PR, PSDB, PTB, PSB, PDT, PT, PSOL, PODEMOS, PPS e a renca de nanicos. O novo processo eleitoral eliminou vastos recursos contaminantes, e os velhos candidatos de sempre não conseguiram atualizar-se. Acreditam que a velha política continua dominante. Poucos, pouquíssimos, com volumes imensos de dinheiro, conseguirão furar alguns bloqueios e filtros sociais, comprando votos, igrejas, pastores, sindicatos e outros substratos. A esmagadora maioria daqueles encastelados em mandatos serão defenestrados, esmagados, queimados feito o joio. Teremos uma eleição devastadora para muitos imperadores da política e seus domínios infestados pelo joio. E aqueles que conseguirem vencer a ceifa cruel, terão seus dias contados. Grupos, partidos, blocos, coligações, vão seguir a máxima universal: sempre os maus juntar-se-ão aos maus, os bons, aos bons. É só olhar. É mais que visível, gritante. Candidatos sujos, podres, atraindo meio-limpos ou meio-sujos que buscam o delírio do joio para locupletarem-se.

O TRIGO  |  O alimento primordial é a essência do bem. Nestas eleições ele vem fortalecido pelo excesso da malignidade que o joio espalhou no estado, no país e que de tanta maldade, fez despertar exércitos inteiros de famintos, deserdados, esquecidos, oprimidos. Estes sim têm o poder da mudança. Os raros partidos que conseguirem desfilar seus candidatos ficha-limpa poderão colher grandes quantidades de votos. Sim, temos partidos ficha-limpa em Rondônia como o DEM do deputado Marcos Rogério, o próprio PSDB de Mariana Carvalho mas sem o ex-senador Expedito Júnior, o PROS de Rosária Helena e talvez mais dois ou três, a conferir após o fechamento do janelão no próximo dia sete de abril. Vários candidatos ficha-suja estão tendo dificuldades para buscar uma legenda que queira acolhê-los, como Ezequiel Neiva. Outros, que queriam dominar novos partidos, caíram do cavalo, como aquele cujo nome se assemelha a suíno, algo assim. Não lembro o nome do biltre. Infelizmente os partidos do BEM, por força do processo político pensado como uma armadilha traiçoeira, força-os, obriga-os à coligação ou aliança com os partidos do MAL. Ainda assim, será possível separar o joio de trigo nessa plantação maligna. Fique atento ao que vai acontecer até a partir da segunda quinzena de abril.

(*) José Armando BUENO é empreendedor e jornalista, editor de A CAPITAL.

Facebook Comments