Numa ação que representa o esforço do Governo de Rondônia para o atendimento aos alunos indígenas matriculados na rede estadual, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) está reforçando o trabalho de aquisição e distribuição de kits alimentação de merenda escolar para todos os alunos das escolas indígenas rondonienses, em especial as localizadas no Município de Espigão D’Oeste, nesta etapa.

A Coordenação Regional de Educação do município (CRE) informou que a Secretaria está adquirindo, nesta fase, 267 kits de merenda escolar que estão sendo distribuídos inicialmente nas escolas Oykatxer Suruí, Maamnzeep Cinta Larga, Rosana Cinta Larga, Capitão Cardoso, Sertanista Benedito Brígido da Silva e na Pichuvy Cinta Larga, todas na região de Espigão D’Oeste.

A previsão é de que este trabalho se estenda a todas as comunidades indígenas do Estado e alcance cerca de 4 mil alunos das 120 escolas nos 13 núcleos de educação indígena implantados no território rondoniense.

QUALIDADE

De acordo com a professora Daniele Pereira da Silva, responsável pela Educação Escolar Indígena, o processo de compra e distribuição dos kits não é fácil em virtude da situação, principalmente em relação à pandemia. “Mesmo assim, foi um sucesso, pela rapidez e apoio que recebemos”, disse, agradecendo aos produtores rurais da Agricultura Familiar – responsáveis pela produção e entrega dos itens dos kits de alimentação escolar -, sempre com produtos frescos e de boa qualidade.

Ela também citou a parceria fundamental com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), agradecendo ao técnico em agropecuária, Erick Silva Nogueira, pela disposição e dedicação, que fez dele uma ponte entre a direção das escolas e os produtores rurais. A professora Daniele credita o sucesso do trabalho à parceria com a Emater, que por meio dele resultou na aquisição rápida e de qualidade dos produtos dos kits alimentação.

Erick Silva Nogueira também agradeceu à equipe e falou sobre sua satisfação em trabalhar com os agentes da Seduc. “Na verdade, é pouco complexo o trabalho de emitir notas fiscais para os produtores”, destacando que o resultado é gratificante para ele e melhor para os alunos beneficiados com produtos genuínos e de muita qualidade, como banana, laranja, iogurtes e outros, e para os produtores rurais que passam a ter um canal seguro para comercializar sua produção.

Por telefone, o coordenador Regional de Educação de Espigão D’Oeste (CRE), Adjalma Rocha, disse que o trabalho de aquisição de distribuição desses kits para a escolas indígenas nunca deixou de ser feito e atualmente está sendo reforçado em virtude da crise sanitária que tem exigido uma atenção maior a todas essas comunidades. Segundo ele, é preciso esclarecer que não se trata de cesta básica de alimentação, mas de um kit de merenda escolar para cada estudante, de modo a manter a estratégia alimentar na rede de ensino (merenda) mesmo durante o período da pandemia da covid-19.

Ele explicou que nesta fase são kits convencionais para a merenda escolar e, que na próxima fase, as aquisições vão contemplar uma linha de produtos e gêneros secos, como feijão, arroz, macarrão, óleo, entre outros, para compor a plenitude das cestas da merenda escolar, “tão essencial aos alunos, principalmente em tempos de pandemia”, disse o professor Adjalma Rocha, enaltecendo as ações do Governo para manter com recursos próprios o aporte financeiro suficiente para se somar aos recursos federais, como o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), destinados para este fim.

DE BISCOITOS A FILÉ DE PIRARUCU

Nesta ação direta para atender as escolas da região, a Seduc está complementando os recursos do FNDE, por meio do Programa Estadual de Alimentação Escolar (Peale), para adquirir e distribuir 267 kits alimentação que se compõem de 1kg de laranja, 1kg de bolacha caseira com coco, 1kg de farinha de mandioca, 1kg de pão caseiro, 1kg de mandioca in natura e 560g de filé de pirarucu, que se destinam a cada aluno indígena, em idade escolar, matriculado em qualquer unidade de ensino estadual, como merenda escolar.

Atenta à segurança dos alunos, a Seduc informa que o kit da merenda é entregue embalado e protegido, com orientações aos indígenas contidas em material impresso dentro de cada pacote. As recomendações referem-se aos cuidados que todos devem ter com a higienização dos produtos alimentícios antes do armazenamento nas aldeias, conforme determina o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e a própria Secretaria da Educação rondoniense, por meio de seis técnicos e professores.

 

Fonte: Secom – Governo de Rondônia

Facebook Comments