ALUNA SELECIONADA PARA INTERCÂMBIO NOS EUA FICOU SEM REAÇÃO AO SABER QUE VIAJARÁ

Reunião-Intercambio-14-4-Quintela-078-370x555A dedicação para conhecer e entender a expedição científica realizada pelo coronel Mariano Cândido Rondon e o ex-presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt trouxe um resultado inesperado para Beatriz Souza de Lima. A aluna do 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Anísio Teixeira, em Porto Velho, diz que ficou ‘sem reação’ quando recebeu a notícia que sua redação tinha sido escolhida pelo Projeto Histórico Educacional Rondon-Roosevelt para integrar um grupo de oito alunos que farão um intercâmbio cultural nos Estados Unidos em maio.

Beatriz conta que, entre as disciplinas escolares, prefere as de ciências humanas, destacando a língua portuguesa e redação. O gosto por elaborar textos fez com que a aluna no ano passado vencesse um concurso de textos promovido pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de Rondônia. Neste ano, a jovem arriscou-se em uma competição de redações, realizada pela Embaixada Americana e a Secretaria de Estado da Educação (Seduc), que poderia lhe contemplar com uma viagem para os Estados Unidos.

Para escrever sobre a expedição Rondon-Roosevelt, a jovem conta que não teve muitas dificuldades, pois já conhecia um pouco sobre a história. Entretanto, a garota afirma que se dedicou um final de semana todo para pesquisar sobre a empreitada dos dois homens na região amazônica. “Pesquisei na internet muita coisa. Umas vídeo-aulas que eu assisti também me ajudaram bastante a entender como foi toda a expedição e a contribuição que ela teve para a região Norte”, comenta a aluna, que também contou com a ajuda dos pais sempre que precisava.

Beatriz sabia que estaria concorrendo com outros textos bons e por isto não esperou que fosse ganhar. No dia da divulgação do resultado, a jovem lembra que um dos coordenadores do projeto, Djair de Sousa, chamou seu nome, mas não achou que tinha sido selecionada. “Fiquei sem reação na hora. Ele [Djair] falou meu nome e eu nem me toquei que era porque minha redação tinha sido escolhida”, relata rindo.

A aluna esperou chegar em casa para contar a notícia para os pais. A garota lembra que o pai sempre esteve confiante que a filha iria conseguir ganhar o concurso, e a mãe tratou logo de espalhar a notícia para todos. “Ela [mãe] ligou para todo mundo, entrou no Facebook e avisou minhas tias, meus tios, meus avós”, lembra.

O domínio do inglês ‘não é dos melhores, mas dá para sobreviver’, conta a aluna, que está bastante ansiosa para a viagem. Beatriz destaca que o choque com a cultura norte-americana é o que mais espera do intercâmbio que fará para os Estados Unidos em maio. “A gente vai conhecer museus e lugares históricos. Vai ajudar bastante a entender algumas coisas que só vimos na teoria. Será uma experiência que renderá bastante para o meu futuro”, explica.

Expedição

O objetivo da Expedição Científica Rondon-Roosevelt era ‘descobrir’ a nascente e a foz do então Rio da Dúvida, batizado assim pelo coronel Mariano Cândido Rondon durante a implantação de uma linha telegráfica.

Rondon não sabia nada sobre o Rio da Dúvida e decidiu incluir esse rio no mapa. Para isso foi organizada a expedição científica e em 1914 foi encontrada a foz no rio Aripuanã, no Amazonas. Então o rio recebeu o nome de Roosevelt, em homenagem ao ex-presidente que acompanhou a descoberta.

Fonte
Texto: Halex Frederic – Assessoria Seduc
Fotos: Quintela
Decom – Governo de Rondônia

Facebook Comments