Técnica de investigação usada pelo FBI é ministrada pelo Depen em Rondônia

0
66

O Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) realizou um treinamento na semana passada para mais de 240 profissionais que atuam na segurança pública e também no Judiciário e Ministério Público, em Rondônia, onde fica uma das penitenciárias federais de segurança máxima. Durante quatro dias, a Coordenação Geral de Inteligência (CGIN) do DEPEN repassou técnicas que poderão ajudar na elucidação de crimes a partir da análise do comportamento das pessoas. Os instrutores repassaram técnicas que são utilizadas pelas melhores forças policiais do mundo, como o FBI. Esse mesmo curso já foi ministrado no Piauí e no Distrito Federal.

Denominado “Análise dos Seis Canais de Comunicação – Veracidade, Credibilidade da Informação”, o treinamento foi realizado em quatro dias, na sede do comando-geral do Corpo de Bombeiros de Porto Velho (RO), entre os dias 22 e 26. Participaram do curso agentes federais de execução penal; policiais federais rodoviários federais, militares e civis; bombeiros militares; servidores do Tribunal de Justiça de Rondônia; e integrantes do Ministério Público Federal (MPF), Estadual (MPE/RO) e do Trabalho (MPT). O treinamento foi ministrado por agentes da Inteligência do Depen, com apoio da direção da penitenciária federal de Porto Velho.

A técnica já vem sendo empregada pelo Depen em situações que envolvem o Sistema Penitenciário Nacional (SPF) e tem servido também para apoiar investigações das polícias Civil e Federal. A equipe da CGIN tem sido requisitada para analisar e apontar possíveis inconsistências ou até mesmo mentiras nos discursos de pessoas investigadas por crimes graves, como homicídios. Para os instrutores, além da transmissão destas técnicas sofisticadas, o treinamento serviu também para promover a integração entre as forças federais e estaduais no combate à violência. O mesmo treinamento foi sido feito no Piauí e Distrito Federal, com mais de 200 participantes.

Facebook Comments
COMPARTILHAR
Artigo anteriorFestas Juninas: os perigos por trás da comemoração
Próximo artigoRondônia e Pará lideram número de assassinatos em conflitos por terra em 2017