Livro desvenda a história da dança do ventre e os benefícios da prática

0
74

Considerada uma das danças mais antigas da humanidade, a dança do ventre agora é desvendada no livro ‘Círculo Mulher’, da coreógrafa, bailarina e professora Shalimar Mattar. Cercada de histórias e mitos desde o seu surgimento, a prática também traz inúmeros benefícios para a saúde. E foi pensando nisso que a autora, que também é proprietária de uma tradicional escola de dança árabe em São Paulo, resolveu mergulhar no mundo da escrita, deixando assim uma referência para o grande público admirador dessa arte.

Shalimar sempre teve a sua mãe como inspiração desde cedo. Ela é filha da Mestra Samira Samia, uma das primeiras bailarinas de dança do ventre do país. Desta forma, tornou-se uma referência no Brasil quando o assunto é dança do ventre. De acordo com ela, essa arte pode nos ajudar a envelhecer com mais felicidade, pois “ajuda a trabalhar a feminilidade, a essência, a delicadeza e a força da mulher. O livro, por exemplo, traz sugestões de como trabalhar o equilíbrio, para que a gente possa sempre estar em sintonia com a felicidade”, conta a professora.

A dança do ventre sempre atraiu a atenção do público e tem uma legião de praticantes pelo mundo. Segundo a autora, isso acontece porque além de trazer muitos benefícios à saúde, essa dança trabalha todas as partes do corpo, da ponta dos pés ao topo da cabeça, o que exige um bom trabalho postural e de equilíbrio. “Ela massageia os órgãos internos e colabora com a coordenação e agilidade. Atua no desenvolvimento dos sentidos, fortalece a feminilidade, combate o stress e a depressão. Favorece o autoconhecimento, aumentando a autoestima e confiança pessoal”, diz Shalimar.

Ainda, segundo a professora, qualquer pessoa que esteja em boas condições de saúde e com liberação médica, pode praticar a dança do ventre independentemente da idade. “Você pode começar em qualquer idade, desde que procure um professor gabaritado, que pode ministrar aulas para crianças e até mesmo para a terceira idade”, afirma.

Popular no Brasil

De acordo com Shalimar, a mulher brasileira tem muita afinidade com a dança do ventre por várias razões. Em primeiro lugar é porque tanto o samba quanto a dança do ventre egípcia tem como berço o continente africano. “Podemos dizer que são primas. Existem muitas semelhanças principalmente na parte percussiva, assim como o destaque para os movimentos dos quadris, a energia da dança e principalmente a valorização do estilo pessoal da dançarina, pois nestas duas modalidades o mais importante é exteriorizar sua essência”, explica.

Outro motivo é que a dança do ventre é extremamente rica e existem muitas formas de executá-la em diferentes tipos de músicas. “Temos a dança tradicional, a rotina clássica, moderna, fusões e ainda a utilização de uma série de materiais e tudo isso torna esta dança muito interessante, porque dificilmente alguém não vai se identificar com ao menos um desses diferentes estilos”, afirma.

A professora ainda explica que a essência primordial da dança do ventre vem de uma base primitiva dos povos das cavernas e ela atravessou séculos se aprimorando, modificando e enriquecendo, mas sempre mantendo o sagrado feminino como ponto primordial. “Enfim, é uma dança que seduz a todos pela sua técnica, expressividade, desenvoltura e sentimento”, finaliza Shalimar Mattar.

Serviço:

Título do livro: Círculo Mulher

Autora: Mattar, Shalimar

Ano de publicação: 2017

Editora: Oficina do Livro

I.S.B.N: 9788595690004

Páginas: 214

Preço: R$ 50,00

Fonte: Paulo Sanseverino/Assessoria de Imprensa

Facebook Comments