Jovem empresário carioca faz vaquinha pra comprar food truck para refugiado sírio hostilizado em Copacabana

0
216
Guilherme Benedictis e Mohamed Ali em encontro organizado em 7 de agosto. Foto: Guilherme Benedictis/Arquivo Pessoal

 

SÃO PAULO – Uma campanha solidária para ajudar um imigrante árabe a ter seu próprio Food Truck está mobilizando cariocas nas redes sociais desde a última quarta, 9.

O refugiado Mohamed Ali, que trabalha vendendo esfihas em Copacabana, na zona sul do Rio, foi alvo de intolerância na última semana, quando seus pertences foram jogados no chão. Alguns homens o mandaram “sair do Brasil”, “voltar para o seu país” e até o xingaram de “homem-bomba”.

O caso foi transmitido na televisão e rapidamente se espalhou pelas redes sociais. A cena de ódio despertou a solidariedade de muitos, como o empresário Guilherme Benedictis, que resolveu botar a mão na massa para ajudar Mohamed, imigrante filho de mãe síria e pai egípcio que mora no Brasil há três anos.

Ele conheceu Mohamed pelas redes sociais após ver o vídeo da agressão. “Comentei que gostaria de ajudar, pois trabalho com eventos gastronômicos”, disse. Fizeram uma campanha para que os dois se encontrassem, o que ocorreu no início dessa semana.

Guilherme decidiu organizar uma “vaquinha” online com o objetivo de arrecadar R$ 20 mil para que Mohamed compre seu próprio Food Truck. A vaquinha surgiu após a conversa entre os dois, quando ele ouviu a história do imigrante, que é casado com uma brasileira e tem um filho. “Quando ele disse que o sonho dele é ter um Food Truck, seus olhos encheram de lágrima”, conta Benedictis. “Após isso, não pensei duas vezes: procurei um site confiável e criei a campanha de surpresa para ele”.

campanha começou em 9 de agosto e encerra em 10 de setembro. Até as 10 horas deste domingo, 13, a vaquinha já tinha conseguido R$ 5.275,00 para Mohamed.

Facebook Comments