Ex-funcionários do falido frigorífico Margen de Rolim de Moura protestam contra o Total S/A que está reabrindo

0
214

caloteNa manhã desta quarta-feira (07) na RO-010 na saída de Rolim de Moura para Cacoal dezenas de ex-funcionários dos falidos frigoríficos Margen e Independência, falidos respectivamente em 2008 e 2009, realizaram um protesto reivindicando o pagamento das verbas trabalhistas e rescisórias que ficaram retidas no processo de massa falida. O protesto é organizado pela Associação dos Ex-funcionários de Frigoríficos que não receberam seus direitos trabalhistas, de Rolim de Moura, que tem como presidente o vereador Juninho do Frigorífico, também ex-funcionário do Margen. Durante o protesto a R0-010 permaneceu fechada das 8h00 às 10h00, no Km 5 em frente ao frigorífico.

A Associação denúncia que os donos do frigorífico Total S/A, que retomou recentemente a planta frigorífica que estava alugada para o Marfrig, são os mesmos do antigo frigorífico Margen, inclusive vários diretores e gerentes são da antiga empresa. Os trabalhadores exigem que o Total S/A reconheça e pague as dívidas trabalhistas e de outros fornecedores e vão cobrar do governador Confúcio Moura e dos deputados estaduais para que não concedam nenhum incentivo fiscal para o Total S/A enquanto não  assumirem compromissos para quitação dos débitos dos trabalhadores.

Convidado pela Associação para participar e apoiar o movimento o sindicato da categoria SINTRA-ALI, se omitiu completamente e só compareceu ao protesto no último instante e ainda assim para desestimular os trabalhadores de lutar. Trabalhadores de frigoríficos já denunciaram este sindicato ao Ministério Público do Trabalho (MPT), que na visão dos trabalhadores age favorecendo  os patrões; sendo que no recente fechamento do frigorífico Marfrig de Rolim de Moura, onde houve a demissão coletiva de 850 trabalhadores, o SINTRA-ALI não  cumpriu com o seu papel de reivindicar benefícios e  indenizações adicionais, obrigatórios nos casos de demissão coletiva, como aconteceu  recentemente no caso do fechamento do frigorífico JBS Friboi de Rolim de Moura, que só houve pagamento de direitos adicionais graças à atuação do MPT.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) também foi convidada pela Associação e compareceu ao movimento de protesto dos trabalhadores com o presidente da entidade, Itamar Ferreira, e o secretário geral, José Cícero Alves. A CUT defende a reabertura do frigorífico pelo Total S/A, que vai gerar centenas de emprego e aquecer a economia de Rolim de Moura, mas ao mesmo tempo entende que as dívidas do antigo Margen, especialmente com os trabalhadores, precisam receber garantias de pagamento, ainda que de forma negociada e parcelada.

Facebook Comments