Curso Técnico em Agropecuária: 22 anos de experiência do IFRO

0
129

Uma das profissões que faz parte do leque de formação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) tem data comemorativa nesta terça-feira, 26 de setembro, que é Dia do Técnico em Agropecuária. Esse foi o primeiro curso ofertado em Rondônia pela Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, em 1995, na escola onde atualmente é o Campus Colorado do Oeste. Outros dois campi do IFRO, Ariquemes e Cacoal, também ofertam o Curso Técnico em Agropecuária na modalidade integrado ao ensino médio. No Campus Cacoal há ainda possibilidade para pessoas que já possuem diploma de ensino médio. Ofertado no período noturno, o curso na modalidade Subsequente ao Ensino Médio tem duração de três semestres.

O Técnico em Agropecuária é responsável por planejar, executar, acompanhar e fiscalizar todas as fases dos projetos agropecuários. Rondônia possui mais de 115 mil propriedades rurais. E 85% desse total, segundo dados da Agência de Defesa Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron), são pequenas propriedades rurais. O estado é destaque na produção de soja e de café, além de ser o maior produtor de carne bovina do País, com o agronegócio ocupando cerca de 40% do PIB estadual.

Na opinião da Diretora de Ensino do Campus Ariquemes, Quezia Da Silva Rosa, para uma região cuja economia está calcada no campo, como é o caso de Rondônia, com produção pecuária tão expressiva, o Técnico em Agropecuária é peça-chave para que a produção cresça e gere desenvolvimento para a comunidade. É a partir de sua atuação que o que é pensado e desenvolvido para a melhoria dos aspectos produtivos chega ao produtor.

A formação de profissionais na área de agropecuária é importante para a sustentabilidade do desenvolvimento econômico do estado de Rondônia, abrindo um amplo mercado de trabalho para o Técnico em Agropecuária. O professor Carlos Henrique dos Santos é hoje assessor na reitoria do IFRO, mas estava na instituição em 1995, participando nas primeiras aulas ministradas para o Técnico em Agropecuária. Ele conta que desde que aqueles 123 alunos começaram a estudar em 1995, a comunidade em geral passou a reconhecer a importância do curso e qualidade do ensino ofertado pela instituição.

“Ao longo do tempo, o curso passou por várias mudanças em sua matriz curricular, visando se adequar constantemente às exigências do mercado de trabalho e alteração da legislação. Além disso, a infraestrutura do campus também foi gradualmente ampliada e melhorada. Isso tudo visa garantir a excelência de nosso ensino”, avalia. Ele lembra que nessa área há a verticalização do técnico para graduações nas áreas de Agronomia ou de Zootecnia, e “se comparado a áreas específicas, temos o quinto melhor curso de Agronomia do Brasil. Nossa nota foi cinco, a nota máxima do Enade”, comemora Carlos Henrique.

O curso

Ao longo dos três anos de duração, o Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio possui mais de quatro mil horas/aula, distribuídas em mais de 30 disciplinas, em período integral diurno. Somente em Colorado do Oeste são aproximadamente 50 professores que ministram aulas do curso, tanto nas disciplinas do ensino médio quanto nas do técnico.

E o estudo não se restringe à sala de aula. Os alunos também passam por aulas práticas nos laboratórios e nos setores de produção de animais de pequeno, médio e grande porte e de culturas anuais, perenes e olerícolas, além do processamento em agroindústria.

Antes de concluir o curso, o estudante realiza um período de estágio em empresas parceiras, visando à aprendizagem e experimentação prática. Após as 200 horas de estágio, ele produz um relatório explanando as atividades desempenhadas na empresa. Essas práticas são consideradas importantes para o aprendizado, sendo lema do curso: “aprender a fazer e fazer para aprender”.

Quem estuda no IFRO não paga nenhum tipo de mensalidade. A instituição disponibiliza vários programas de assistência ao educando para que os estudantes do Curso Técnico em Agropecuária tenham condições de permanecer estudando.  Há moradia estudantil nos três campi e assistência permanente com atendimento biopsicossocial ofertado pela equipe multidisciplinar dos departamentos de assistência ao educando.

Atuação profissional

O Técnico em Agropecuária formado pelo IFRO é habilitado a desempenhar atividades voltadas para a produção de alimentos de qualidade, sem agressão ao meio e com valorização ao homem e ao seu trabalho. Ele é um profissional eclético, capaz de desenvolver atividades como autônomo ou como colaborador de instituições públicas e privadas, ou seja, em propriedades rurais, empresas comerciais, estabelecimentos agroindustriais, empresas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa, além de parques e reservas naturais. O Técnico em Agropecuária pode atuar em qualquer etapa da cadeia produtiva agropecuária, seja no fornecimento de recursos produtivos na produção agrícola/zootécnica propriamente dita e na comercialização dos respectivos produtos.

Segundo o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, o profissional Técnico em Agropecuária também administra propriedades rurais; elabora, aplica e monitora programas preventivos de sanitização na produção animal, vegetal e agroindustrial.  Após conclusão do curso, o profissional efetivado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) também fiscaliza produtos de origem vegetal, animal e agroindustrial, além de realizar medição, demarcação e levantamentos topográficos rurais. E atuar em programas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa.

A egressa do Campus Colorado, Valéria Lúcia da Silva Oliveira pertence aos quadros da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron). Ela foi da terceira turma, entre 1997 a 1999, e avalia que já naquela época o curso tinha qualidade excelente, com bons professores “É muito gratificante hoje voltar lá e lembrar tudo o que aprendemos”. Ela classifica que ainda hoje o curso é bem inserido na região, na qual o setor agropecuário se destaca na economia.

Sobre o mercado de trabalho, Valéria afirma que o profissional precisa ter uma visão ampla para acompanhar as mudanças que ocorrem, existindo ainda muita demanda para esse profissional em Rondônia. “Há muitos técnicos em agropecuária em órgãos ambientais e empresas do setor agropecuário, sendo que alguns egressos e colegas de curso hoje são gerentes ou donos de empresas da área”, comenta.

História

O Curso Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio é o mais antigo do Instituto Federal de Rondônia (IFRO). Ele foi primeiramente ofertado no CampusColorado do Oeste em 1995, na época a Escola Agrotécnica Federal de Colorado do Oeste (EAFCO).

A Escola Agrotécnica Federal de Colorado do Oeste foi criada em 30 de junho de 1993 através da Lei 8.670, e a partir de então foi construída. As atividades didático-pedagógicas foram iniciadas em 13 de fevereiro de 1995, com 123 alunos matriculados no ensino regular de segundo grau profissionalizante do curso de Técnico em Agropecuária de Nível Médio, que tinha duração de três anos. A primeira turma deste curso, composta por 59 alunos, formou-se em 20 de dezembro de 1997.

Em 17 de abril de 1997 foi publicado o Decreto 2.208, que acabou com a modalidade integrado ao ensino médio dos cursos técnicos. Seguindo as recomendações deste decreto, em 1999 foi realizada a formatura da última turma do então Técnico em Agropecuária de Nível Médio. Neste mesmo ano foi implantado o curso de Técnico Agrícola nas habilitações de Agropecuária, Agricultura, Agroindústria e Zootecnia, todos com duração de dois anos e nas modalidades concomitante e subsequente ao ensino médio, com a adoção do sistema de ensino modular. Em 2002, foram criados os cursos pós-técnicos em Fruticultura e Bovinocultura, com um ano de duração.

Em 23 de julho de 2004 foi publicado o Decreto 5.154, que voltou a possibilitar a oferta da modalidade integrado ao ensino médio nos cursos técnicos. Com isso, em 2005 a EAFCO começou a ofertar o curso de Técnico Agrícola Integrado ao Ensino Médio com habilitação em Agropecuária.

Em 29 de dezembro de 2008, a partir da integração da Escola Técnica Federal de Porto Velho com a Escola Agrotécnica Federal de Colorado do Oeste, pela Lei 11.892, foi criado o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO). A EAFCO passou então a ser denominada Instituto Federal de Rondônia CampusColorado do Oeste e seus cursos passaram a fazer parte da nova instituição.

Em 2009, tendo em vista a unificação das denominações de cursos técnicos estabelecida pelo Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, o Curso Técnico Agrícola Integrado ao Ensino Médio com Habilitação em Agropecuária foi renomeado para Técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio, sendo que em 2011 a primeira turma com essa nova nomenclatura colou grau.

Leandro Dias da Silva é servidor da instituição desde 2004, tendo feito o Técnico em Agropecuária em Colorado do Oeste e, posteriormente, se graduado em Agronomia. Ele cursou o Técnico Agrícola com habilitação em Agropecuária na EAFCO, na modalidade concomitante ao ensino médio, começando em 2000 e terminando em 2001. Naquela época, o curso técnico tinha duração de dois anos e era separado do médio. Como era preciso concluir o ensino médio para certificar-se, Leandro fez o pós-técnico em Fruticultura em 2002, ainda na EAFCO.

Quando fez o Curso Técnico em Agropecuária, Leandro veio de São Francisco do Guaporé e na época que estudava era aluno interno, por isso consegue avaliar as mudanças que ocorreram no decorrer do tempo. Nestes 14 anos desde que conhece a instituição, Leandro diz que “mudou muita coisa. Não apenas a estrutura física, mas os alunos têm mais incentivos e auxílio, alojamentos melhores, sistemas mais informatizados”. Ele também acha que o perfil do estudante mudou, pois antes quando técnico e médio eram separados, só cursava o técnico quem de fato se interessava na área, enquanto hoje muitos estudantes têm o foco no médio, que tem excelência comprovada.

Ariquemes

Criado em 2009, mediante a transferência, ao IFRO, da Escola Média de Agropecuária (Emarc/Ceplac), o Campus Ariquemes possui 300 hectares de área. É apropriada à produção agropecuária, bem como à instalação do agronegócio, haja vista a qualidade do solo, os índices de precipitação pluviométrica e as reservas naturais existentes.

Para o coordenador do curso de Agropecuária, professor Claudinei Carvalho Recco, a estrutura que o campus oferece é um diferencial para o curso de Agropecuária. A unidade possui um perfil rural com áreas voltadas para a produção agrícola. A produção do campus já atende em algumas áreas a demanda de alimentos por parte do refeitório e possui projetos para aumentar a produção, tornando assim autossustentável.

O setor responsável pela produção é o Departamento de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão. O departamento incumbe-se da organização, planejamento e orientação das atividades realizadas nas Unidades de Produção constantes na estrutura organizacional do campus integrando as mesmas às atividades planejadas em conjunto com ações de pesquisa, ensino e extensão. O departamento possui as coordenações de produção animal, produção vegetal e a coordenação de processamento de produtos vegetais e animais.

Claudinei explica ainda que o Técnico em Agropecuária pode atuar tanto na grande empresa rural, executando as atividades que lhe são solicitadas, quanto pode atuar na pequena propriedade apontando melhorias a serem implementadas e orientando o produtor.  No caso específico do Campus Ariquemes, o mesmo possui uma estrutura que permite que projetos de todas as áreas da produção agrícola e pecuária sejam desenvolvidos, inclusive na piscicultura que é forte na região.

Cacoal

Com boa parte de sua economia baseada na agricultura e pecuária, a cidade de Cacoal também vislumbrou no IFRO uma oportunidade de aperfeiçoar o desenvolvimento desse ramo de negócios através do Curso Técnico em Agropecuária. Nele, os alunos são habilitados para atuar em diferentes frentes de trabalho, que vão desde a fiscalização até o gerenciamento de propriedades rurais.

“O curso que ofertamos busca um desenvolvimento integral do aluno, formando profissionais que planejam, executam, acompanham e fiscalizam todas as fases de um projeto agropecuário. Com isso, podem atuar em todos os ramos, como propriedades rurais, empresas comerciais, estabelecimentos agroindustriais, empresas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa, parques ou reservas naturais”, explica a coordenadora do curso no Campus Cacoal, Maily Marques.

A formação que o aluno egresso Cesar Boscato recebeu ao fazer o Curso de Técnico em Agropecuária, a propósito, foi o que contribuiu para que ele se tornasse um servidor do IFRO. Aprovado no concurso público em 2012, ele ressalta aquilo que em sua visão foi o principal benefício de concluir os estudos. “A certificação em Técnico em Agropecuária me incluiu no mercado de trabalho e isso para mim foi o essencial”.

Ele contou que possui uma propriedade rural desde a época em que realizou o curso, fato que o ajudou a aplicar os conceitos aprendidos em sala na prática do campo. “A vantagem da formação técnica em agropecuária é que você aprende a lidar com o vegetal, com o animal e a beneficiar os produtos do campo. Não é algo tão profundo como um bacharelado, mas traz vantagens na amplitude dos conhecimentos, que são mais abrangentes”, opina.

O profissional disse ainda que ele e os colegas formados no IFRO têm a possibilidade de atuar em qualquer setor do mercado profissional, com segurança e qualidade. “Fazendas, pequenas propriedades, agroindústria ou comércio. Acho que para todos esses setores o IFRO habilita bons profissionais, capazes de oferecer uma assessoria técnica responsável e eficiente”.

Facebook Comments