CÚPULA DO PMDB DO RJ SOB INVESTIGAÇÃO; FELIPE PICIANI É PRESO

0
148
Jorge Picciani na Alerj - Domingos Peixoto / Agência O Globo

RIO DE JANEIRO— A Polícia Federal cumpre, na manhã desta terça-feira, um mandado de condução coercitiva contra o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani (PMDB). Os procuradores regionais da República responsáveis pela operação “Cadeia Velha”, deflagrada nesta terça-feira, vão pedir ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), fórum competente para o caso, que considere flagrantes os crimes atribuídos a ele e aos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi.

Picciani, Melo e Albertassi só não foram presos nesta terça-feira porque a Constituição estadual, no Artigo 120, estabelece como única possibilidade de prisão provisória o flagrante de crime inafiançável, à exceção de casos com licença prévia da Alerj. Mas as três prisões não estão descartadas. Contra Jorge Picciani, consta uma mandado de prisão preventiva. Os agentes também vão prender, em caráter preventivo, Carlos Cesar da Costa Pereira, o Carlinhos da Art Sul, o ex-presidente da Fetranspor Lélis Teixeira, Carlos Lavouras e o megaempresário dos transportes Jacob Barata.

A PF cumpre mandados de condução coercitiva contra os três deputados e contra Alice Brizola Albertassi. Há ainda mandados de prisão temporária de Felipe Picciani, filho do presidente da Alerj e gerente da Agrobilara, empresa que gere os negócios da família. Serão presos temporariamente Ana Claudia Jaccoub, Marcia Rocha Schalcher de Almeida e Fabio Cardoso do Nascimento.

Nesta terça-feira, a Polícia Federal e a Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR-2) lançaram a mais importante ofensiva contra a corrupção no Rio desde a prisão do ex-governador Sérgio Cabral, em novembro do ano passado. A PF está nas ruas para cumprir mandados de prisão contra Felipe Picciani, filho do presidente da Alerj e gerente da Agrobilara — empresa que conduz os negócios da família. Há ainda mandados de busca e apreensão nos gabinetes da presidência da assembleia e de Picciani, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi.

Os mandados de prisão se estendem ainda a Jorge Luiz Ribeiro, braço direito do presidente da Alerj; a Sávio Mafra, assessor especial do gabinete da Presidência; Andréia Cardoso do Nascimento, chefe de gabinete do deputado Paulo Melo; e do irmão dela, Fábio, também assessor de Melo. E também contra empresários ligados a Fetranspor, Lélis TeixeiraJosé Carlos Lavouras e Jacob Barata.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/pf-cumpre-conducao-coercitiva-de-picciani-procuradores-vao-pedir-prisao-22066808#ixzz4yOfviE5K

Facebook Comments