COMÉRCIO – Ministro diz que industrialização coloca Rondônia na rota dos novos mercados para o peixe

0
460
Confúcio Moura (E) explicou como o estado atua para conferir qualidade aos produtos de origem animal destinados à exportação

A industrialização do pescado rondoniense é o caminho para que o produto alcance mercados maiores e, ao mesmo tempo, remunere melhor os produtores. A recomendação partiu do ministro substituto da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima e recebeu aval de Appio Tolentino, superintendente da Suframa. Os dois estiveram em Porto Velho, na quinta-feira (14).

O ministro e o superintendente da Suframa tiveram rápida reunião com o governador Confúcio Moura e o superintendente do Desenvolvimento de Rondônia, Basílio Leandro, pouco antes da reunião do Conselho Administrativo da Suframa, também na manhã de quarta-feira.

Segundo Appio Tolentino, a Suframa vive uma nova realidade e esta etapa prioriza a integração da Suframa às demandas regionais. “O próximo passo é intensificar a industrialização da produção regional e articular com países vizinhos em busca de novos mercados“, disse ele durante encontro em que também estava presente Pedro Teixeira, secretário executivo da Suder.

“Estamos comprometidos com um olhar para o futuro e oferecer cada vez mais produtos da Amazônia Ocidental e Amapá”, disse Tolentino, para quem Rondônia é alvo de ações voltadas para o fortalecimento da exportação.

A sanidade dos produtos amazônicos mereceu uma observação particular do ministro Marcos Jorge de Lima. Esta é uma exigência dos mercados, disse o ministro.

Marcos Jorge disse que o mercado não aceita a mínima suspeita sobre os produtos oferecidos e recomendou mais investimentos nesta área.

Após ouvir de Basílio Leandro informações sobre a produção de tambaqui e pirarucu nas propriedades rurais, o ministro destacou que o pescado de Rondônia deve ser preparado para atender estas exigências e pode até ser incluído na merenda escolar das escolas brasileiras.

As informações sobre as iniciativas para levar o pescado de Rondônia para novos mercados foram apresentadas pelo governador Confúcio Moura.

TRÂNSITO

O governador destacou que o peixe de Rondônia circula com Guia de Trânsito Animal (GTA) e que está pronto para exportação. Confúcio destacou ainda que a questão da sanidade do pescado é objeto de pesquisa nos estados do Brasil Central e que os estudos são liderados por pesquisadores do Amazonas e Tocantins.

“As preocupações com a saúde animal devem ser em mão dupla”, recomendou o ministro, indicando que todos os estados da região devem seguir o mesmo protocolo para evitar eventuais contaminações dos produtos durante o trânsito. Para isto, Marcos Jorge pediu ao governador Confúcio que utilize a liderança que exerce na região para que os outros governadores assumam o mesmo compromisso.

Da produção de pescado em Rondônia, por enquanto, apenas 5,6% é industrializada, números tímidos em relação ao potencial do estado. Por conta disto, o produtor ainda ganha pouco, quadro que muda quando a industrialização é mais explorada.

O ministro concorda que não outro caminho a ser trilhado senão o fomento da industrialização. “Agregar valor ao produto final é fundamental e Rondônia deve fazer isto com o tambaqui”, defendeu.

Fonte
Texto: Nonato Cruz
Fotos: Ésio Mendes
Secom – Governo de Rondônia

Facebook Comments