Com um pé na Alemanha, Gabriel Vasconcelos é Rondônia na final da Copa São Paulo

Gabriel pode ir para Alemanha depois da Copinha
Gabriel pode ir para Alemanha depois da Copinha
Gabriel pode ir para Alemanha depois da Copinha

Rondônia tem exportado grandes talentos para o futebol brasileiro. Um destes, é, sem dúvida, o atacante do Corinthians, o portovelhense Gabriel Vasconcelos, 19. Brilhando na Copa São Paulo, é o artilheiro isolado com oito gols, Gabriel pode nem ver a camisa do Corinthians como titular: está sendo pretendido por um time alemão.

Em um bairro da Zona Norte de Porto Velho, numa rua praticamente sem movimento, está o lugar em que Gabriel Vasconcelos nasceu e foi criado. Lá ele é filho e orgulho da família, que tem Dona Regina como alicerce dos dois irmãos, Sérgio e Lilian, e do pai Carlos, que também quase não fica em casa. Logo na sala, um telefone que não para: são muitas as mensagens para avisar a mãe do novo atacante da base do Corinthians que o filho tem brilhado em solos paulistas. Em uma cadeira do canto da sala, as muitas camisas em que ela coleciona como lembranças do pouco tempo que já tem de carreira (com passagem pelo Fluminense, Seleção Brasileira sub-15 e sub-17 e agora, o Corinthians). No álbum, as fotografias dos primeiros passos nos gramados e em cima da estante os troféus conquistados dentro e fora de Rondônia.

O primeiro contato com o novo clube foi no dia 13 de agosto, como ela faz questão de lembrar. Mas o gol da consagração viria só em dezembro, no dia 18 e contra o Cruzeiro, pelo Brasileiro Sub-20. O jogo terminou em 1 a 0, com gol da classificação feito por Gabriel aos 38 do segundo tempo. Até então, o novo atacante estrelava apenas no banco de reservas.
– Acho que foi nesse momento que viram exatamente o talento dele. Desde então ele começou a entrar mais no início do segundo tempo, até virar titular. Eu acho que ele já é titular. Já fez sete gols na Copinha e está mostrando o que ele sabe fazer bem, que é jogar futebol. Não é porque é meu filho, mas ele tem talento e sabe jogar muito bem.
E quando o assunto é saudade, os olhos logo marejam. Ela respira fundo, olha pro canto do sofá que ele costuma ficar quando está de férias em Porto Velho e lembra também que os outros dois filhos não estão por perto. Mesmo há sete anos nessa rotina e convivendo dia a dia com a ausência do filho, ela conta que ainda não foi possível se acostumar.

 

Dona Regina, mãe de Gabriel Vasconcelos (Foto: Larissa Vieira)

Dona Regina, mãe de Gabriel Vasconcelos (Foto: Larissa Vieira)

– Não posso nem falar em saudade. Eu choro, mas é de alegria porque desde pequeno ele gosta de jogar bola… Nasceu com esse dom e a gente sempre apoiou. Não coloquei no futebol para ser um jogador, mas pra incentivar a prática de um esporte, como os meus outros filhos também fazem. Mas ele gostou, se deu bem e está mostrando que nasceu pra isso. A gente, como família, só tem que torcer e fazer com que tudo dê certo. No domingo, contra o Goiás, Gabriel marcou os dois gols da classificação e na terça feira fez um gol contra o São Caetano, somando sete gols na Taça São Paulo. Em partida contra o rival São Paulo na quinta-feira, Gabriel fez o terceiro gol da partida, se isolando na artilharia com oito gols. Gabriel pode se consagrar amanhã no Pacaembu, quando o Corinthians disputa a final contra o Botafogo/SP.

Mais RO com G1-Globo Esporte

Facebook Comments